24.8 C
Rondonópolis
 
 

Indicadores da saúde: Taxa de cesarianas em Roo vem crescendo e é maior que o recomendado

Leia Mais

- PUBLICIDADE -spot_img
A Organização Mundial de Saúde (OMS) preconiza que o total de partos cesáreos em relação ao número total de partos realizados em um serviço de saúde seja de 15% (Foto – Arquivo)

Se, por um lado, uma cesariana pode ser uma cirurgia essencial e salvar vidas, por outro, pode colocar mulheres e bebês em risco desnecessário a problemas de saúde, quando é realizada sem necessidade médica.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) preconiza que o total de partos cesáreos em relação ao número total de partos realizados em um serviço de saúde seja de 15%.

Já as normas nacionais estabelecem limites percentuais, por estado, para a realização de partos cesáreos, bem como critérios progressivos para o alcance do valor máximo de 25% para todos os estados.

Em Rondonópolis, dados do DataSUS mostram que o percentual de cesarianas vem crescendo ao invés de reduzir progressivamente como recomendado.

Em 2021, 54,53% dos partos realizados na cidade foram cesarianas, número maior que em 2020, quando 53,42% foram partos cesáreos e em 2019, 50,82%. Para Mato Grosso, essa taxa deveria ser de no máximo 30%.

Conforme o Ministério da Saúde, percentuais elevados de cesarianas podem significar, entre outros fatores, a concentração de partos considerados de alto risco em municípios onde existem unidades de referência para a assistência ao parto.

Esse é o caso de Rondonópolis, e segundo o vereador, médico ginecologista Dr. José Felipe Horta, pode ser uma das explicações para a taxa elevada registrada na cidade.

“Temos que considerar que a maternidade da Santa Casa é referência regional para partos de alto risco, portanto, esse fator deve contribuir para o percentual de cesarianas feitos em Rondonópolis”, avaliou o médico.

Entretanto, além de considerar a referência para partos de alto risco na região, a quantidade elevada de cesarianas no município também pode ter relação com a qualidade da assistência prestada, uma vez que o aumento pode estar refletindo um acompanhamento pré-natal inadequado ou indicações equivocadas do parto cirúrgico em detrimento do parto normal.

“Sabemos que os pré-natais na rede pública municipal são feitos por clínicos gerais e os encaminhamentos para acompanhamento pré-natal com um ginecologista somente é feito em casos de gestação de alto risco. Se a assistência básica pré-natal não é adequada, pode contribuir para aumentar as taxas de cesarianas”, explicou.

Segundo o profissional da medicina, é necessário investir na melhoria do atendimento nos postos de saúde, porque há também aumento no número de pessoas que chegam enfartadas nas emergências, que chegam com AVC.

 

 

————  CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE  ————
————————————————————————————

 

 

“O atendimento básico é essencial para evitar enfartes, AVCs, complicações no parto e, foi justamente por isso que fizemos o projeto com a Universidade Federal de Rondonópolis (UFR) para implantar a residência médica em saúde da família na cidade, e que acabou não sendo implantada porque o prefeito [José Carlos do Pátio] não quis”, lamentou.

O médico acrescentou que a Santa Casa terá residência médica em ginecologia e obstetrícia e seria importante que o Município firmasse um convênio com o hospital para que esses médicos residentes pudessem atender em um ambulatório municipal obstétrico. “Para isso, é preciso que a prefeitura dialogue com a Santa Casa”, finalizou.

 

- PUBLICIDADE -spot_img

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -
- PUBLICIDADE -

Mais notícias...

Crianças e adolescentes: Evento discute protocolo integrado para atendimento às vítimas sexuais

Promotores de Justiça, juízes, delegados, médicos legistas, peritos criminais e policiais de Mato Grosso participam desde ontem (26), em...
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Mais artigos da mesma editoria

- Publicidade -spot_img