O Quartel General político da reeleição do presidente Bolsonaro entrou em rota de colisão com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Nos bastidores, assessores políticos do presidente culpam Guedes por ser “resistente” e não ceder ao subsídio temporário aos combustíveis, o que aliviaria o preço para o consumidor final.

Guedes, após conseguir emplacar o novo ministro de Minas e Energia e indicar o terceiro presidente da Petrobras no governo Bolsonaro– que ainda precisa ser aprovado – passou a ser o responsável por resolver a questão dos combustíveis, mas a ala política do governo critica a Economia pois afirma que as medidas de Guedes podem não fazer efeito na eleição e pressionam por um “cavalo de pau” imediato na economia.


 

CÂMERA NA FARDA

A Polícia Militar aqui do Distrito Federal montou uma comissão para elaborar as pesquisas necessárias para a compra. Segundo o chefe do Departamento Operacional da PMDF, coronel Jorge Eduardo Naime Barreto, um dos motivos para a demora da fase de estudos foi a falta de aparelhos adequados para a realidade policial.

Mas, neste ano, a PMDF testou modelos de câmeras nas unidades de patrulhamento do trânsito e na Esplanada dos Ministérios, no centro de Brasília. Os testes acompanharam o trabalho de policiais do Batalhão de Trânsito, do Batalhão de Policiamento Rodoviário, do 1º Batalhão, 3º Batalhão e 6º Batalhão.


 

SUSPEITA

O Brasil registrou nesta quarta o primeiro caso provável de hepatite fulminante. De acordo com informações do Ministério da Saúde, a doença – ainda de origem desconhecida – tem ocorrência provável em um paciente que mora em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul.

Segundo a pasta, o Brasil investiga hoje 72 casos da hepatite aguda e contabiliza 21 registros descartados. O ministério também apura se seis mortes foram causadas por essa enfermidade.


 

PESQUISA EM XEQUE

Nas últimas semanas, dezenas de pesquisas de intenção de voto para presidente da República foram publicadas por diferentes institutos. Mesmo divulgados em datas próximas, muitos levantamentos apresentam resultados discrepantes quando se trata dos dois principais candidatos ao Planalto, com distância significativa entre os números apurados.

O abismo entre os números se repete à medida que novas sondagens são divulgadas. Tal situação alimenta os argumentos de grupos que questionam a eficácia de todas as pesquisas eleitorais.


 

PROPOSTA NEGADA

O Ministério da Defesa negou sugestão parlamentar do deputado bolsonarista Hélio Negão sob a alegação de ser “contra a lei” e com potencial para causar “impacto negativo e prejuízo ao orçamento”. Ex-subtenente do Exército, Hélio Negão queria que guardas municipais fossem treinados pelas Forças Armadas.

Na proposta, enviada à Defesa em fevereiro, Hélio Negão argumenta que o papel das guardas municipais na Segurança Pública está “ganhando importância” e que a União deveria treiná-los para “ações especializadas” e “tiro”.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui