A pré-candidatura de João Doria à Presidência da República chegou ao fim, após uma sequência de embates dentro do próprio PSDB, onde se formou uma resistência ao nome do ex-governador de São Paulo na corrida rumo ao Planalto.

Em um pronunciamento no início da tarde desta segunda, Doria confirmou que está fora da disputa presidencial em 2022. O anúncio ocorre após o PSDB, junto com o MDB e o Cidadania definirem em conjunto que devem apoiar Simone Tebet para a eleição presidencial.


DINHEIRO

Enquanto o governo federal precisa congelar recursos para bancar as despesas previstas no orçamento da União para este ano, estados acumularam, até o fim do primeiro bimestre deste ano, R$ 319,8 bilhões para gastar.

Os números constam em um levantamento da economista Vilma Pinto, da Instituição Fiscal Independente (IFI). A pesquisa também mostra que os municípios contavam com R$ 185,7 bilhões no mesmo período.


OPORTUNIDADE

Há 151 concursos públicos no país com inscrições abertas nesta segunda. Os certames reúnem 19,9 mil vagas para cargos de todos os níveis de escolaridade, com salários que chegam a R$ 32.004,65 no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, no Rio Grande do Sul.

As oportunidades são para preenchimento imediato e formação de cadastro reserva. Há processos abertos em órgãos federais, como Ibama e Exército, e ainda em Defensorias Públicas, Ministérios Públicos, tribunais, procuradorias, polícias Civil e Militar e conselhos regionais em vários estados.


GASTOS

A Câmara registrou, nos quatro primeiros meses de 2022, o início de ano mais caro no que diz respeito a gastos com a cota parlamentar de toda a atual legislatura (2019 a 2023).

Ao todo, deputados desembolsaram aproximadamente R$ 65,8 milhões para custeio das despesas do mandato – um aumento de R$ 6,1 milhões na comparação com o mesmo período do ano passado. A diferença é ainda maior em relação às despesas da Casa nos primeiros meses da pandemia no país, entre janeiro e abril de 2020.


COMITÊ

O presidente Jair Bolsonaro revogou, nesta segunda o decreto que criou o Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Covid-19. O ato foi publicado no Diário Oficial da União.

O grupo era formado pelo chefe do Executivo federal, os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, e, como observador, um integrante do Conselho Nacional de Justiça.


PUNIÇÃO

Enquanto o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes luta para fazer valer as multas aplicadas ao deputado federal Daniel Silveira, que descumpre decisão judicial e se recusa, há semanas, a usar tornozeleira eletrônica, a Primeira Turma da Corte puniu um preso em regime semiaberto que saiu para trabalhar, por duas vezes, minutos antes do horário permitido.

Morador de Queimadas, no interior da Paraíba, o pedreiro de 36 anos estava no regime semiaberto há mais de dois anos, monitorado por tornozeleira eletrônica, e a sentença determinava que estivesse em casa das 19h às 5h, de segunda a sexta-feira.


CAÇA VOTOS

Candidato à reeleição ou a senador, o deputado Daniel Silveira, condenado pelo Supremo Tribunal por ataques à democracia e indultado por Bolsonaro, pede a Deus para ser preso outra vez. Pede a Deus, não, pede ao ministro Alexandre de Moraes, relator do seu caso no tribunal.

Silveira elegeu-se há 4 anos rasgando uma placa de rua com o nome de Marielle Franco, vereadora assassinada no Rio. Foi medíocre o seu desempenho na Câmara. Mas ao atacar a democracia, os ministros do Supremo, ser preso, condenado e indultado, acha que garantiu, no mínimo, a reeleição.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui