31.7 C
Rondonópolis
, 19 maio 2024
 
 

Troco flores por respeito

Leia Mais

- PUBLICIDADE -spot_img
(*) Jéssica Chagas

No Dia Internacional das Mulheres uma profusão de flores é entregue por todos os lados. Antes mesmo de levantar-se da cama, certamente uma mulher já recebeu uma mensagem de parabéns acompanhada por uma rosa virtual, senão por um buquê real e bem florido.
As flores, sem dúvida, têm papel garantido para representar esta data. O que não podemos esquecer é que o 8 de março vai além da celebração, deve lembrar que graves problemas de gênero ainda persistem por todo o mundo. E que, para além das flores, as mulheres merecem um tipo diferente de buquê, que deve ser entregue todos os dias.

Um buquê de respeito. Grande e florido, com pétalas de igualdade de direitos, ramalhetes de cumprimento às leis de proteção à vida da mulher, botões de reconhecimento florescendo, folhas largas de valorização e o aroma marcante e reconfortante da dignidade. Sem as ervas daninhas do machismo, da misoginia e da violência. Um arranjo forte para afastar as piadas que, mesmo feitas sem perceber, diminuem e constrangem. Que seja forte para deixar longe o silêncio que incentiva tais comentários, quando tudo o que se deseja ouvir é uma voz de defesa. Sim, somos fortes, corajosas e lutadoras, mas também queremos ouvir outras vozes ecoando nossas lutas.

Um ramalhete de flores tem o seu valor. Mas em uma realidade na qual milhares de mulheres sofrem violência diariamente, esse não pode ser o presente para esta data tão representativa. Enquanto mulheres ainda recebem salários inferiores, são abusadas, violentadas e culpadas mesmo sendo vítimas, as flores não podem vir desacompanhadas.

Em um país com a quinta maior taxa de feminicídio do mundo e onde 35 mulheres são agredidas física ou verbalmente por minuto, o buquê de respeito precisa ser entregue antes das flores. Não é fácil colher os elementos de um buquê tão valioso quanto esse. É preciso apurar todos os cinco sentidos e acrescentar mais um: a empatia. Pois só nos abrindo para ver o que vai além das nossas vivências, olhando para o outro e suas dores, é possível colher a preciosidade que é o respeito.

(*) Jéssica Chagas tem 30 e poucos anos, é baiana, mora em São Paulo e escreveu A história de como eu morri

 

- PUBLICIDADE -spot_img

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -
- PUBLICIDADE -

Mais notícias...

Especialistas alertam: hipertensão arterial também ocorre na infância

Embora a hipertensão arterial seja doença de maior prevalência em adultos, afetando cerca de 30% da população brasileira, o...
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Mais artigos da mesma editoria

- Publicidade -spot_img