Apesar dos problemas com chuva, Mato Grosso poderá chegar a 101 sacos por hectare na safra 21/22 (Foto – Eduardo Monteiro / Rally da Safra)

Após percorrer o Oeste e Médio-Norte do Mato Grosso, duas equipes do Rally da Safra 2022 estarão no Sudeste do estado para avaliar lavouras de milho segunda safra a partir desta terça-feira, dia 24. Os técnicos deixarão Cuiabá com destino às regiões de Primavera do Leste, Rondonópolis, Itiquira e Chapadão do Sul e chegarão ao Sudoeste goiano, visitando áreas em Mineiros, Jataí e Rio Verde.

A expedição irá dimensionar o potencial produtivo desta segunda safra de milho que registra o plantio mais adiantado da história e altos investimentos em tecnologia.

“O Mato Grosso teve um ótimo início de safra, com plantio antecipado e condições climáticas favoráveis na implantação. No estado, 80% das áreas foram implantadas dentro do calendário ideal ou de baixo risco – até a terceira semana de fevereiro”, explica André Debastiani, coordenador do Rally da Safra.

Já em Goiás, 42% das lavouras foram implantadas dentro do calendário ideal ou de baixo risco, diante do excesso de chuvas na colheita da soja, que estendeu o plantio do milho.

Apesar do bom início de safra, a estiagem em abril trouxe dificuldades para o desenvolvimento das lavouras na maior parte do Centro-Oeste. “Observamos um comportamento climático favorável à safra no início de março, com bom volume de chuvas no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. No final do mês, a irregularidade de chuvas atingiu o estado de Goiás. Abril chegou com pouco ou quase nada de chuva. Algumas regiões ficaram sem chuvas entre 30 e 40 dias”, afirma.

Segundo o coordenador do Rally, é importante observar as condições climáticas que causam perdas de produtividade e cruzá-las com os dados do plantio.

“Quanto maior a antecipação na implantação das lavouras, maior foi a parcela das lavouras que pendoaram em condições climáticas favoráveis. Apesar do clima seco em abril no Mato Grosso, podemos afirmar que 73% das lavouras pendoaram com boas condições de chuvas e não devem ser severamente afetadas pela seca”, relata.

Ainda que a irregularidade climática traga dificuldades aos produtores e quebras em algumas regiões, as perspectivas de produtividade são boas em comparação com a safra passada.

O Mato Grosso poderá chegar a 101 sacos por hectare na safra 21/22, contra 95 na temporada passada. Já Goiás poderá alcançar 84 sacas por hectare (68 na safra 20/21). Em relação às estimativas de janeiro último, há queda de 7% na produtividade no Mato Grosso e 24% em Goiás.

Diante desse cenário, a Agroconsult, organizadora do Rally, projeta uma safra de 87,6 milhões de toneladas – redução de 4,6 milhões de toneladas sobre a perspectiva de janeiro – para uma área de 15,8 milhões de hectares.

Trata-se de uma safra recorde – em 20/21, o Brasil colheu 60,9 milhões de toneladas de milho segunda safra, em 14,7 milhões de hectares. A safra total de milho é estimada em 113 milhões de toneladas, com crescimento de 29,6% sobre a anterior.

A Equipe 21 estará em Rondonópolis no dia 25 de maio e a Equipe 20, no dia 26 de maio.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui