Prefeito José Carlos do Pátio chamou os vereadores por Rondonópolis e concedeu uma coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira (12) para atacar Estado (Foto – Antônio Carmelo)

Depois de enviar um projeto de lei para a Câmara Municipal pedindo a aprovação da criação de um novo pátio municipal para a guarda de veículos apreendidos, que recebeu emendas de diversos vereadores e chegou a ser aprovado pelos vereadores, o prefeito José Carlos do Pátio (PSB) recuou e decidiu não criar a nova estrutura. A justificativa do gestor municipal é que já foi criado um pátio pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran), mas o que se comenta é que Pátio considera a medida impopular e prefere evitar o desgaste com seu eleitorado, principalmente por se tratar de um ano eleitoral.

Para anunciar sua decisão, Pátio convocou uma entrevista coletiva na Prefeitura e se eximiu de responsabilidade a respeito de um pátio de apreensões e jogou a responsabilidade para o Governo do Estado. “Vamos encaminhar um documento, através da Câmara e da Prefeitura, para que o Governo do Estado assuma efetivamente essa questão do pátio de apreensões de veículos. Isso não é atribuição do Município. Queremos que ele assuma esse problema!” afirmou o prefeito.

Ele contou ainda que pretende, juntamente com os vereadores, cobrar uma espécie de Refis de impostos e taxas veiculares, para facilitar que os proprietários de veículos da cidade possam quitar suas pendências e circular com tranquilidade, cobrando que deputados e a imprensa ajudem a cobrar o Governo do Estado para que viabilizem essa sua pauta. Pátio ainda afirmou que, caso o Governo do Estado não assuma o “problema”, ele poderá futuramente licitar a contratação de uma empresa para fornecer o tal pátio de apreensões.

O presidente da Câmara, Roni Magnani (PSB), afirmou que a Prefeitura teria gastado “milhões” com cirurgias ortopédicas resultantes de acidentes de trânsito e falou de uma fila de espera de 15 pacientes que estariam na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) aguardando para serem operadas no Hospital Regional. “Nós viemos aqui hoje pedir que o prefeito pague por essas cirurgias, pois o que não pode é essas pessoas ficarem padecendo”, externou.

 

 

————  CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE  ————————————————————————————————

 

 

Há uma divergência nos números, mas essas pessoas que aguardariam por cirurgias ortopédicas são vítimas de acidentes no trânsito rondonopolitano, que tem se deteriorado muito depois que o próprio José Carlos do Pátio retirou o sistema de fiscalização eletrônica no trânsito da cidade e fechou o antigo Pátio Rondon.

Apesar da fala do prefeito tratando esse novo pátio de apreensões como um problema, e que chegou a ser aprovado pelos vereadores, não geraria nenhum tipo de custo para a Prefeitura, gerando inclusive recursos para os cofres municipais, não só por meio dos valores pela sua outorga e do recolhimento do ISSQN, mas também principalmente porque faria que os proprietários de veículos quitassem seus débitos com documentos e multas, que em grande parte voltam para os cofres da Prefeitura.

A despeito de ter tratado do trânsito na cidade, o prefeito não anunciou nenhuma medida ou política pública para diminuir os constantes acidentes que mutilam e matam cidadãos e cidadãs rondonopolitanas, o que leva alguns a deduzirem que Pátio, na verdade, quer evitar o desgaste político de implantar o novo pátio, pois muitos afirmam que as fiscalizações no trânsito visam principalmente os veículos dos trabalhadores, o que é negado pelas autoridades e pelos números.

7 COMENTÁRIOS

  1. Não a mal que dure para sempre, um dia Rondonópolis terá um gestor serio que pense na cidade como um todo, e não somente para agradar seu curral de animais(eleitores) que votam nesse sujeito, no momento o que temos é isto, triste, a impossibilidade de segundo turno ajuda a eleger esse vagabundo populista, mas é visível que ele não tem a maioria.

  2. A população deseja a manutenção das ilegalidades no transito. É o mesmo povo que reclama das ilegalidades na politica, ou seja, dever é para os outros. E o prefeito populista, inacreditavelmente, cede a este pedido estapafurdio. Rondonopolis é uma piada, não é uma cidade seria.

  3. O Brasil tá mais quebrado que a Venezuela e a renda mensal média dos brasileiros caiu R$200 em três anos, cerca de 9%, quer que tire dinheiro da onde? Ou o cara paga documentação ou compra comida. Do que adianta Mauro Mendes e Paulo Guedes falarem que está abrindo vaga de emprego pagando 1200 reais para um pai de família, piada isso. Inflação nas alturas, o real tá perdendo seu valor na bolsa diariamente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui