FUNERAL NA CIDADE I
O funeral da família que morreu em um acidente de trânsito, nesta quarta-feira (12/1), no Paraná, ocorrerá nesta sexta-feira (14/1), em Rondonópolis. As vítimas foram os moradores locais: Dislei Martins Ramos, de 40 anos, Geisebel Pereira de Souza, de 33 anos, e as filhas Rebeca Souza Martins, 3 anos, Amanda Priscila Souza, de 9 anos, e Anna Luiza Souza Martins, de 13.

FUNERAL NA CIDADE II
Os corpos das vítimas saíram ontem à tarde do Paraná, com realização do velório prevista para hoje na União Familiar, na Avenida Bandeirantes, em Vila Operária. O translado foi feito via terrestre e custeado pela empresa em que Dislei trabalhava. As informações são de que o sepultamento será hoje no Cemitério Santa Cruz, o “Cemitério do Lourencinho”.

(Foto – Divulgação)

MAIS MORTES
Um outro grave acidente, ocorrido na noite da última quarta-feira (12), vitimou um casal que morava na cidade. O casal estava em uma moto que foi atingida por trás por uma carreta na BR-163, a cerca de 20 quilômetros da cidade. As informações iniciais dizem que o casal não usava capacetes no momento do acidente e morreram ainda no local. Eles foram identificados como sendo Robson de Assis Vitor, de 37 anos, e Maristela Aroetoguido, indígena da Tribo Piagaba, de 33 anos.

 

FORA DO CONSÓRCIO
O diretor-executivo da UNIO Construtora e Incorporadora, André Guimarães Lira, informou esta semana que a empresa não irá integrar o projeto de construção do novo shopping de Rondonópolis. Ele agradeceu o convite feito por André Cobianchi e disse que, apesar de a empresa acreditar no sucesso do empreendimento, o projeto não se encaixaria no plano de negócios da empresa, no desenvolvimento sustentado e no crescimento sólido. “Seguimos firmes e focados no objetivo máximo de entregar aos nossos investidores e clientes os compromissos que assumimos com eles. Restam os desejos de amplo sucesso nesse e futuros empreendimentos aos parceiros André Cobianchi e Thiago Muniz”, concluiu André Lira.

CASO TEREZINHA I
A Polícia Judiciária Civil ainda não concluiu o inquérito que apura as circunstâncias envolvendo a morte da ex-presidente do Sanear, Terezinha Silva de Souza, ocorrida há praticamente um ano: na manhã do dia 15 de janeiro de 2021, quando foi atingida por sete tiros na região da cabeça e chegou no hospital já sem vida. A PJC continua falando em crime de mando e conta que as investigações estão avançadas, mas que não pode divulgar mais informações a respeito para não atrapalhar as investigações.

 

CASO TEREZINHA II
Segundo informado pela assessoria de comunicação da Polícia Civil, as investigações estão em estágio bastante avançado e a linha de investigação apura um possível crime de mando ou seja: que Terezinha Silva tenha sido morta por pistoleiros profissionais a mando de alguém. Nesta semana, reportagem do A TRIBUNA cobrou um desfecho para o caso.

 

CASO TEREZINHA III
A PJC informou ainda que foram ouvidas quinze pessoas no desenrolar do inquérito e que já foram coletados diversas informações que auxiliarão na solução do crime, e que há medidas cautelares autorizadas pela Justiça em andamento e o inquérito aguarda o resultado das diligências.

 

ROUBO EM FAZENDA I
Uma família foi mantida amarrada dentro da própria residência durante a maior parte do dia, nesta quarta-feira (12) depois que cinco bandidos invadiram a propriedade rural onde moravam e anunciaram um roubo. Eles fugiram do local levando um carro e ainda tentaram levar o gado da propriedade, mas o crime acabou frustrado por conta da recusa dos caminhoneiros contratados em transportar o gado roubado, após terem desconfiado da situação e se negado a fazer o serviço.

ROUBO EM FAZENDA II
De acordo com informações da Polícia Militar, o crime aconteceu em uma propriedade rural próxima da MT-130, rodovia estadual que liga as cidades de Rondonópolis e Poxoréu. A polícia inicialmente havia recebido uma denúncia de roubo de veículo na propriedade, mas durante as averiguações identificou uma tentativa de roubo de gado da propriedade, após um dos caminhoneiros contratados para o serviço informar a polícia que deveria embarcar 400 cabeças de gado e levá-las para Chapada dos Guimarães justamente na fazenda que havia sido roubada.

ROUBO EM FAZENDA III
Um trabalho da Agência Regional de Inteligência (Ari) verificou que o número usado para contatar os caminhoneiros pertencia a um homem que já possui diversas passagens pela polícia. Ontem (13), por volta das 11 horas, a polícia conseguiu recuperar o veículo roubado em Poxoréu e prendeu um dos suspeitos em um restaurante às margens da MT-130.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui