(*) Jorge Manoel

Ó tu, crudelíssima crueldade,
que me furtas o vigor e a
força de outrora, vingas minha
felicidade com tua impiedade.

Levastes para longe minhas energias
e exuberância; trouxestes rugas,
fraquezas e transformastes minhas
alegrias em tristezas.

Não que eu quisesse nascer de novo,
só queria um pouco de viço e de
força para encontrar alento e poder
derrotar o tempo.

Quem sabe eu conseguiria ao menos
uma prorrogação nessa jornada e
faria, assim, um pouquinho menos
ofegante minha caminhada.

(*) Jorge Manoel é jornalista, professor, intérprete e poeta

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui