De julho de 2020 até julho deste ano, número de reclamações sobre esses serviços aumentou 13,38% (Foto – Rogério Junior)

Com a pandemia de Covid-19, as entregas por delivery deixaram de ser esporádicas e se tornaram práticas comuns e diárias para muitos consumidores. A popularização do serviço também abriu brechas para oportunistas violarem direitos do consumidor e aplicarem o “golpe do delivery”, como vem sendo popularmente conhecido.

O golpe consiste em clonar o cartão do consumidor ou cobrar um valor maior do que o combinado, ocultando ou dificultando a visualização do valor para o cliente na tela das máquinas de cobrança. Em alguns casos, sobretudo à noite, o entregador se dispõe a iluminar a maquininha com o celular e acaba filmando ou tirando foto do momento em que o cliente digita a senha. Casos assim têm acontecido em São Paulo, de acordo com o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), a ponto de o Procon-SP estudar medidas para proibir o pagamento na entrega.

 

 

————  CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE  ————————————————————————————————

 

 

Em Cuiabá, esses golpes têm uma característica diferente, segundo relatos de seis consumidores ouvidos pelo Procon Mato Grosso. O pedido é realizado pelo aplicativo de delivery, mas quando o entregador está se aproximando para a entrega, ela é dada como concluída, sem que seja de fato efetivada.

O consumidor Giordano Tomaselli conta que pediu uma pizza em um estabelecimento em que é cliente assíduo – e não recebeu o produto. “Entrei em contato com o restaurante e me disseram que eu não tinha direito ao reembolso, pois o entregador me esperou por um tempo e eu não apareci. Mas isso não é verdade. Procurei o porteiro do meu prédio e ele disse que ninguém tentou fazer entrega para mim. Acabei perdendo R$ 60”, relata Giordano.

Renan Tokashiki teve três episódios com essa mesma situação. Na primeira vez, ele conseguiu o reembolso, mas na segunda precisou ficar na defensiva, pois o atendimento passou a desconfiar dele, e na terceira vez teve atendimento lento.

“Abri reclamação diretamente com o iFood. O aplicativo enviou mensagem para o restaurante que ficou me indagando como se eu estivesse tentando passar a perna neles. Porém, como moro em apartamento, aleguei que posso mostrar as gravações e provar que ninguém tentou entregar nada para mim. Ganhei reembolso do iFood, mas continuei com fome”, conta ele sobre a segunda vez que isso aconteceu. Os outros quatro consumidores ouvidos pelo Procon-MT também enfrentaram situações semelhantes às relatadas por Giordano e Renan.

Este cenário se agravou no último ano. De julho de 2020 até julho deste ano, o Procon-MT registrou aumento de 13,38% nas reclamações sobre empresas intermediadoras de serviços de entrega.

Entre os assuntos e problemas mais reclamados estão: serviços de entrega (25,46%); dificuldade de contato (13,28%); serviço de pagamento on-line (11,07%); cobrança por serviço não fornecido (9,59%); atraso na devolução de valor (9,96%); não entrega ou demora (8,49%); má qualidade no atendimento (7,38%); cobrança após cancelamento do serviço (4,43%).

SAIBA O QUE FAZER

De acordo com os fiscais de defesa do consumidor do Procon-MT, Marcos Silva, André Badini e Jociane Moraes, caso ocorra algum problema com a entrega por delivery, o consumidor deve, em primeiro lugar, acionar o estabelecimento responsável direto pelo produto.

 

Em seguida, se o problema não for solucionado, o consumidor deve procurar pelo atendimento do aplicativo no qual foi feito o pedido, pois eles possuem uma responsabilidade solidária, de acordo com o Código de Proteção e Defesa do Consumidor (CDC).

 

Somente depois disso é recomendado registrar um boletim de ocorrência na Polícia Civil. É possível, também, registrar uma reclamação em uma unidade do Procon ou na plataforma de reclamação on-line Consumidor.gov.br.

 

Os fiscais do Procon-MT alertam para outros cuidados que precisam ser tomados na hora de efetuar o pagamento com o cartão de crédito. Procure evitar que o entregador olhe para a senha enquanto ela está sendo digitada, sempre segurando a maquininha. À noite, não deixe que utilizem iluminação do celular, pois podem tirar fotos ou mesmo iniciar uma gravação em vídeo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui