A obra remanescente custará R$ 832.04,14 e deve ser iniciada após assinatura do contrato com a empresa (Foto – Arquivo)

Depois de três licitações frustradas, sem que nenhuma empresa se interessasse pela obra, a Prefeitura de Rondonópolis obteve sucesso no último certame e a licitação para a finalização da Unidade de Acolhimento para dependentes químicos foi concluída com a construtora Lagotela Eireli como vencedora. A obra remanescente custará R$ 832.04,14 e deve ser iniciada após assinatura do contrato com a empresa, que deve ocorrer nas próximas semanas.

A Unidade de Acolhimento para dependentes químicos está localizada anexa ao Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps-AD 3), no bairro Jardim Belo Horizonte. A obra foi lançada juntamente à construção do Caps-AD 3, ainda em 2013, quando o Município integrava o programa “Crack, é possível vencer” do Governo Federal, que tinha como objetivo o tratamento de dependentes químicos.

 

 

————  CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE  ————

————————————————————————————

 

 

Na época, a decisão de construir o Caps-AD e a Unidade de Acolhimento gerou uma grande polêmica com moradores da região do bairro Belo Horizonte, que não aceitavam que a construção fosse no local, pois o espaço iria receber pacientes em tratamento de dependência química. No entanto, após vários debates, a Prefeitura decidiu por manter a construção no bairro.

As obras então, tanto da Unidade de Acolhimento quanto do Caps-AD 3, tiveram início em 2015 e somente o prédio que abriga o Caps-AD foi concluído. A Unidade de Acolhimento acabou tendo os serviços paralisados pouco tempo após o início. Segundo a Prefeitura, entre os problemas que levaram à paralisação da construção na época estava a falta de repasse do Governo Federal.

A retomada somente foi anunciada no final de 2018, depois da realização de novo processo de licitação, mas acabou novamente paralisada. Desta vez, a Prefeitura informou que a morosidade na execução dos serviços e problemas na construção, que estavam em desconformidade com o projeto, levaram o Município a abrir um procedimento administrativo para romper o contrato com a empresa que era responsável pela construção.

Quando lançada, a obra da Unidade de Acolhimento estava orçada em pouco mais de R$ 700 mil, valor menor que o atual de mais de R$ 800 mil para concluir a construção. A unidade deve contar com 15 vagas para abrigar pessoas em tratamento para a dependência química.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui