O piloto teria efetuado um pouso forçado na área de mata às margens da Rodovia do Peixe, porém o avião acabou destruído, matando os seus quatro ocupantes – (Foto: Arquivo)

O Sexto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa VI), localizado em Brasília (DF), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), divulgou relatório preliminar sobre as investigações do acidente com o avião bimotor Cessna 310, matrícula PT-KCH, que caiu em Rondonópolis no último dia 8 e explodiu, deixando quatro vítimas fatais. De acordo com o órgão, a queda teria sido ocasionada pela falha do motor durante o voo.

 

 

———  CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE  ————
————————————————————————————

 

 

O Seripa VI ainda não emitiu o relatório final sobre a apuração das causas do acidente. As informações, até o momento, são de que o avião, que decolou do aeródromo da Gleba Rio Vermelho em Rondonópolis, caiu 30 minutos após a decolagem, quando o motor apresentou falhas em seu funcionamento. Teria ainda sido efetuado um pouso forçado na área de mata às margens da Rodovia do Peixe, porém o avião acabou destruído.

Um dia após o acidente, o Seripa informou ao A TRIBUNA que a conclusão das investigações terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade da ocorrência e, ainda, da necessidade de descobrir todos os fatores contribuintes. A intenção, com as investigações, é prevenir que novos acidentes com características semelhantes ocorram.

A queda da aeronave ocorreu às 16h30 e imediatamente equipes do Corpo de Bombeiros de Rondonópolis, da Polícia Civil e Militar, bem como do Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu) se deslocaram ao local. Nenhum passageiro foi encontrado com vida e os copos foram identificados posteriormente pelo Instituto Médico Legal (IML) por meio de impressões digitais e análise da arcada dentária, pois foram carbonizados.

 

Morreram na queda do avião o piloto, Nacionízio Jacó da Silva Filho (o Neno), o mecânico de aeronaves José Rodrigues de Souza, o proprietário do avião, Nelson Siton Júnior Landim e o empresário, Faustino Barbosa.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here