(*) Valéria Cristina & Jerry Mill

Não faz muito tempo, nós compartilhamos com você, dear reader, um texto que abordava a viabilidade da utilização dos signos do zodíaco para aprender ou rever palavras ou expressões da língua inglesa. Na ocasião, dentre outras coisas, nós demonstramos que muitos dos nomes dados aos signos são palavras cognatas para nós, brasileiros, embora exista a necessidade do uso da inicial maiúscula e de não confundir os animais do horóscopo com os nomes dados a eles no mundo real na língua inglesa. Exemplos: Leo (o signo) e lion (o bicho).

Desta vez, atendendo algumas solicitações e consultas recebidas desde então, queremos voltar a esse tema, mas agora com ênfase no tipo de aprendiz ou usuário de inglês que você tende a ser, de acordo com as características mais difundidas sobre o seu signo. Segundo as nossas fontes, cada um de nós tem um jeito ou estilo pessoal de estudar ou aprender, sendo que essas preferências e diferenças podem estar diretamente ligadas ao signo de cada um de nós. Afinal, dizem os especialistas, todas as pessoas têm particularidades e personalidades específicas, indicando tendências no modo de pensar e de agir no cotidiano, dentro ou fora da sala de aula.

No entanto, de antemão, queremos deixar bem claro que não é nossa intenção endossar o discurso daqueles que são a favor ou contra essa forma de entender e encarar o mundo. Em outras palavras, apaixonados pela ou detratores da astrologia, definida pelo (dicionário) Aurélio como o “estudo e/ou conhecimento da influência dos astros, especialmente de signos, no destino e no comportamento dos homens; uranoscopia”. Para nós, trata-se apenas de um assunto intrigante até certo ponto, e que merece ser considerado, mesmo que ocasionalmente, nas aulas de língua, materna ou estrangeira.

Isso explicado, precisamos nos lembrar de duas coisas em especial: primeira, que costuma haver uma profusão de adjetivos (indicando qualidades/qualities e defeitos/flaws de cada signo) nos textos que relatam as previsões para o dia, o mês ou o ano – que podem ser vertidos do português para o inglês, ou vice-versa. Segunda, que esses mesmos textos (quando publicados em jornais, revistas ou sites) costumam ser curtos, podendo se tornar numa ótima fonte para diversos exercícios que envolvem as habilidades de listening (ouvir), speaking (falar), reading (ler) e writing (escrever).

Acima de tudo, o que precisa ficar inequívoco é o fato de que, embora teoricamente todos os signos possam aprender a língua inglesa (ou outro idioma ou assunto), alguns demonstram ter grande facilidade para entender a dinâmica do multifacetado universo da linguagem (caso do rebelde Aquário, do curioso Gêmeos, do comunicativo Sagitário e do generoso Peixes), enquanto que outros precisam de um pouco mais de tempo para demonstrar algum progresso até mesmo nos aspectos mais elementares do idioma-alvo (caso do individualista Capricórnio, do intenso Escorpião, do vaidoso Leão, do charmoso Libra e do confiável Touro). Quanto a Áries, Câncer e Virgem, a impaciência, a autocobrança ou o descontrole emocional deles costuma tornar o seu aprendizado mais lento e, consequentemente, é maior a probabilidade de ser cogitada por eles a opção de não concluir os estudos.

No entanto, independentemente de qual seja o seu signo, lembre-se de que o modo de aprendizagem adotado e priorizado (visual, auditivo ou cinestésico) faz parte desse pacote de variáveis que podem levar ou não a um maior nível de aquisição e retenção do conhecimento recebido, bem como outros dois pontos determinantes: a dedicação e a constância de cada um. Afinal, se, para a maioria de nós, o estudo/aprendizado de um idioma é sinônimo de algo complicado e enfadonho, saber descomplicar esse processo rumo à desejada fluência é um dos grandes segredos nessa caminhada. E isso pode se dar através da imprescindível “motivação extra”, a fim de perceber que poucos minutos por dia talvez se transformem numa deliciosa rotina (dependendo do material de ensino-aprendizagem adotado), capaz de impulsionar nosso fator emocional de maneira altamente assertiva e positiva.

Ou seja, embora a astrologia afirme que o posicionamento dos astros no céu no horário, dia, mês e ano de nascimento indica os (tre)jeitos de cada um de nós, independentemente do signo ou do ascendente, isso não é necessariamente uma benesse ou uma maldição para toda a vida. Afinal, decisões tomadas numa fração de segundo podem mudar a nossa vida pelo avesso, influenciando nas nossas preferências alimentares (e educacionais), no local de moradia e no estilo de estudo, dentre tantas outras coisas que temos no nosso dia a dia.
Believe it or not! Traduzindo: “Acredite se quiser!”

(*) VALÉRIA CRISTINA NEGRETTE DA NÓBREGA BUZATTI é pós-graduada em Ensino de Língua Inglesa (UFMT) e professora efetiva da rede municipal de ensino. JERRY T. MILL é Mestre em Estudos de Linguagem (UFMT), presidente da Associação Livre de Cultura Anglo-Americana (ALCAA), membro-fundador da ARL (Academia Rondonopolitana de Letras), associado honorário do Rotary Club de Rondonópolis e autor do livro Inglês de Fachada.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here