Na Avenida Beira Rio, a fila de veículos costuma chegar até a segunda rotatória após a ponte (Foto – A TRIBUNA)

Após a construção da ponte da Avenida Beira Rio (Otaviano Muniz), o cruzamento da Avenida Lions com a Rua Fernando Correa começou a enfrentar longas filas de veículos, com o “estrangulamento” do trânsito na confluência. Atualmente, nos horários de pico, é possível ver as extensas filas de veículos, tanto na Rua Fernando Correia como na Avenida Beira Rio, que também faz parte do cruzamento.

 

 

————  CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE  ————
————————————————————————————

 

 

Cláudio Ferreira: “Precisamos de pensar grande e planejar uma cidade para 30 anos” (Foto – Arquivo)

Nesta via, a fila de veículos costuma chegar até a segunda rotatória após a ponte. A construção de um viaduto para o trecho é uma das ideias sugeridas por vários segmentos locais. Inclusive, a construção de um viaduto para o local foi uma das propostas de campanha do candidato a prefeito em 2020 pelo DC, Cláudio Ferreira.

“Nossa cidade está muito atrasada nas obras estruturantes, profissionais não são convidados pra debater e projetar soluções funcionais e estéticas pra cidade. Quem falha ao projetar está planejando errado. Junto com amigos arquitetos e engenheiros, fizemos uma proposta pioneira de fazer um viaduto na confluência da Fernando Correa e Otaviano Muniz. Precisamos de pensar grande e planejar uma cidade para 30 anos. Precisamos saber o que queremos ser, se queremos ter uma cidade desenvolvida, de oportunidades ou uma currutela feita à base do improviso”, alertou.

 

Vereador Júnior Mendonça: “hoje o caos no trânsito é pulverizado e precisa ser amplamente rediscutido” (Foto – Arquivo)

O presidente da Comissão de Transporte e Trânsito da Câmara, vereador Júnior Mendonça (PT), sobre a problemática do trânsito no cruzamento da Avenida Lions Internacional com a Rua Fernando Correia, declarou que a situação poderá ser resolvida a partir de um estudo de viabilidade técnica, mas um viaduto ou algo similar poderá ser a solução para evitar os constantes engarrafamentos de veículos em vários sentidos das pistas, principalmente nos horários de pico.

“Já recebi diversas reclamações dos transeuntes do trânsito rondonopolitano. Todavia o problema do trânsito da cidade vai além de algo pontual. Hoje o caos no trânsito é pulverizado e precisa ser amplamente rediscutido. A partir de uma comissão especial, será possível uma pesquisa ampla e um estudo aprofundado que deverá identificar as problemáticas e a solução de vários problemas no trânsito”, argumentou Mendonça.

Atualmente, não existe nenhum viaduto nas vias urbanas locais, sendo os existentes todos localizados nas rodovias federais que cortam a cidade.
O Jornal A TRIBUNA questionou a Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito (Setrat) sobre alternativas para esse cruzamento viário, mas não teve resposta.

2 COMENTÁRIOS

  1. Rodrigo Becher (que comentou o artigo no dia 17/05), concordo plenamente, em número, gênero e grau!
    E vou além! Não é só a secretaria de trânsito e mobilidade que precisa de alguém técnico de verdade! Todas as demais!
    Se ao menos os apadrinhados políticos ou mais costumeiramente chamados “puxa-sacos” tivessem o mínimo de competência para constituirem uma secretaria que tivesse assessores qualificados, mas não! O cabideiro de empregos para os baba-ovos vai até as escalas mais primárias do funcionalismo.
    Há anos vemos o jornal A TRIBUNA publicar reportagens atrás de reportagens sobre a insanidade do trânsito da cidade! E nada, absolutamente nada, é feito!
    E quando é, acontece bem como você escreveu no seu comentário: é um paliativo tão ridículo que acaba causando mais transtorno ainda ao povo.
    E olha que o prefeito é um engenheiro civil hein!!! Que deveria saber que pra resolver um problema é preciso primeiramente conhecer a fundo as causas do mesmo!
    Nunca vi nenhum estudo de tráfego sendo realizado na cidade, como já presenciei em outros municípios do sul do país… …estudos que demandam tempo… …estudos que são realizados durante todo o dia (pra abranger todos os horários e definir os horários de pico e as direções do fluxo) quanto da semana (pra definir os dias em que os picos acontecem). Mas não! Pra essa administração (e as passadas) o interessante é colocar uma caminhonete com uma escada embaixo do semáforo e ir ajustando um a um, para um horário específico, sem estudo, sem critério, sem parâmetro algum! Na base da tentativa e erro mesmo (e põem erro nisso, porque até hoje não acertou).
    A ponte nova do Parque da Seriema (Sim! Parque da Seriema mesmo SERIEMA, é assim que se escreve o nome da Cariama cristata, ave que dá nome ao parque! E não adianta mudar o nome do parque. Já pegou! É melhor gastar tempo em outras coisas Prefeito!)… …mas voltando ao assunto… …a ponte cujo intuito era trazer mobilidade, trouxe na verdade uma confusão! Tanto pela incapacidade do gestor público em nomear alguém comprometido com a ENGENHARIA DE TRÁFEGO, quando pela incapacidade do mesmo gestor em punir e coibir os motoristas que insistem em mover as barreiras “New Jersey” para fazerem a conversão à esquerda em direção à ponte dos que vem da Av. dos Estudantes sentido Av. Lions. É uma incompetência atrás da outra!
    Sequer os semáforos e as marcações da rotatória estão ajustados para permitir mais de um movimento simultâneo sem causar a baderna que causa!
    Prezado Rodrigo, aparentemente o quanto pior, melhor!
    De fato, Tiririca estava errado: pior do que está, pode ficar sim! Nosso prefeito tem este dom. O dom de piorar o que já está ruim!
    E com o apoio da Casa das Leis, ou deveria dizer Casa da Mãe Joana, que é o que aquilo lá parece!
    Enfim, tenho a dizer que o cruzamento da Av. Lions com a Av. Fernando Correa combina bem com as características da cidade: uma zona!
    Aliás, zona é o que não falta nessa cidade. Aqui tem zona até do lado de escola infantil! Pra quem duvida é só ir na esquina do CEAC pra ver as putas se exibindo na rua!
    É impressionante como nossos políticos não fazem nada! Mas as mães deles estão lá, todo dia, batendo ponto, faça chuva ou faça sol!

  2. Em verdade, o primeiro passo e colocar na secretária de transito e mobilidade um engenheiro de trafego que possa buscar soluções para uma modernização com pensamento de 20 anos a frente, e não medidas paliativas como estamos acostumados e ver!
    e temos vários gargalos para resolver, a maioria das rotatórias precisam ser revistas, como pe caso da rotatória da UFR – Village, Da Lions o próprio viaduto da Médici que é uma vergonha sem tamanho para nossa cidade, além do entroncamento do Assai Atacadista.

    Entretanto medidas paliativas já bastam e só tem gerado mais transtorno e problemas para nossa cidade, reflexo de adminstração pequena, legislativo pífio e uma população acostumada a receber “esmola como contraprestação” de serviço

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here