Na obra “A pedagogia do oprimido”, o educador Paulo Freire questiona o papel do profissional professor no processo de inovação educacional, expondo o quanto somos seres inacabados, incompletos e inconclusos, destacando a importância de um olhar crítico por parte dos professores para a transformação da educação no país.

Ainda, segundo Freire (1997, p.20) “a educação é permanente não por que certa linha ideológica ou certa posição política ou certo interesse econômico o exijam. A educação é permanente na razão, de um lado, da finitude do ser humano, de outro, da consciência que ele tem de finitude. Mas ainda, pelo fato de, ao longo da história, ter incorporado à sua natureza não apenas saber que vivia, mas saber que sabia e, assim, saber que podia saber mais. A educação e a formação permanente se fundam aí”.

Com base na pontuação de Freire, observamos o quanto os professores precisam crer e ansiar mais na curiosidade, na busca constante do aprender, pois é isso que ao gerar inquietação, tem potencial mobilizador e transformador. A construção ou a produção do conhecer implica o exercício e o olhar da curiosidade, da busca permanente, com isso, dentre as contribuições dos educadores, destacam-se: mediar o processo ensino-aprendizagem; contribuir na formação de indivíduos críticos, éticos e reflexivos.

Atualmente, os professores são vistos como mediadores do processo ensino-aprendizagem. A ideia de que eles eram os detentores do saber foi abolida com a chegada da “Era tecnológica”. Entretanto, o filósofo Aristóteles, há milênios, apresentava o perfil que os professores deveriam possuir. Pois, segundo o filósofo, o verdadeiro mestre não apresenta verdades prontas e acabadas, mas contribui para que seus alunos possam encontrá-las. Todavia, para que esses alunos encontrem as ditas “verdades” é necessário que os educadores encontrem maneiras de apresentar os possíveis caminhos.

É perceptível que a profissão do educador é composta por grandes desafios, que sempre devem ser estudados. Conforme o filósofo Jean Jacques Rousseau, “o homem nasce livre e por toda a parte encontra-se acorrentado”. Neste sentido, percebe-se que a responsabilidade do professor é libertar a si mesmo, para em seguida colaborar na libertação de seus discentes. Para tanto, é imprescindível que os docentes participem das formações, buscando formas de questionar, sugerir, discordar (se for o caso) e apontar possíveis mudanças no processo ensino-aprendizagem.

A formação continuada de professores contribui para a mudança de postura do docente, cabendo ao educador aplicar em suas metodologias os conhecimentos obtidos. Para Arroyo (2006) aquilo que ensinamos, a maneira como ensinamos, a ordem de nossos ensinamentos, que sequência respeitamos e em que tempos e espaços são os condicionantes de nossa docência têm íntimas relações entre a organização escolar, a organização curricular e as formas em que o trabalho docente é estruturado (apud OLIVEIRA 2011, p.74).

Cabe aos educadores, como agentes comprometidos com a mudança, a busca pela formação contínua com vistas à e pela aquisição de saberes necessários para o exercício da prática docente. Nessa perspectiva, os currículos dos cursos de formação continuada de professores necessitam priorizar e propiciar a reflexão e o desenvolvimento da criticidade e observação, em prol da transformação.

Diante do exposto, observa-se a importância da constante formação dos professores. A fim de auxiliar no processo de mudanças históricas, que a todo o momento modifica os sujeitos envolvidos no processo educacional. Para isso, deve-se levar em consideração o pensamento de Paulo freire, no tocante à transformação por meio do ensino, pois segundo o educador a educação por si só não transforma a sociedade, mas sem ela tão pouco a sociedade muda. Assim sendo, os educadores devem acreditar que eles são os agentes de suma importância para essa transformação, buscando a preparação para os novos desafios impostos pela modernidade, que a cada dia tornam-se mais presentes.

(*) Luciene Teodoro das Chagas Passos e Lhays Ingryd Soares Leite são professoras na Rede Municipal de Educação – Rondonópolis-MT.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here