Deputado Claudinei (2º à esq.), com os delegados da Diretoria-Geral da PJC e representantes da ATC

Com a solicitação de apoio ao vice-presidente da Comissão de Infraestrutura Urbana e de Transportes da Assembleia Legislativa, Delegado Claudinei (PSL), pelos integrantes da Associação dos Transportes de Cargas de Mato Grosso (ATC), o parlamentar se reuniu com os diretores Geral e de Atividades Especiais da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso (PJC), respectivamente, os delegados Mário Dermeval e Fernando Vasco, na sede da instituição, em Cuiabá. O assunto tratado entre eles foi sobre as alternativas para o combate de roubos e furtos de cargas e peças de caminhões.

“Fiz questão de estar aqui e dar essa atenção para este importante setor. Só para ter uma ideia, em Rondonópolis, são mais de 15.000 caminhões, sem contar os outros municípios mato-grossenses. Os transportadores de cargas estão sofrendo com prejuízos e danos com os crimes nas estradas. Eles acreditam que há uma quadrilha especializada, principalmente nas regiões de Tangará da Serra e Diamantino devido o alto índice de ocorrências”, explica Claudinei.

O diretor executivo da ATC, Miguel Mendes, que marcou presença no encontro, inicialmente agradeceu a intermediação do deputado junto aos representantes da polícia civil para tratar sobre os crimes que interferem na categoria. “O deputado Claudinei fez a agenda e é um grande parceiro nas demandas que envolvem a segurança pública. A gente tem recebido através de nossos associados, o crescimento do crime contra o patrimônio. A gente sempre conviveu com o roubo de cargas e veículos. Agora, lutamos contra algo mais profissional, o que leva a crer que existe um crime organizado para roubos de transportes de cargas. Hoje somos vítimas, além do roubo de cargas e veículos, como de peças dos caminhões”, explica.

Mendes ressalva que este tipo de crime em Rondonópolis é impressionante, tanto que mencionou que já ocorreu no município, o roubo de módulos de caminhões que foram furtados em postos de combustíveis e em pátios de transportadoras. “Eles invadem e rendem os seguranças. Estamos tentando fazer algo em relação a estes crimes. Fazer o combate, pois a tendência é acontecer ainda mais. E se ramificar, outros começam a abrir novas empresas de autopeças que, na verdade, comercializam essas peças oriundas de roubos e furtos”, salienta.

Uma das principais peças que os criminosos buscam extrair dos caminhões, são os módulos que têm um custo de aproximadamente R$ 35 mil, diz o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de Mato Grosso (Sindmat), Eleus Vieiras Amorim. “Entraram em uma empresa aqui, em Cuiabá, vai fazer seis meses, roubaram no pátio dela, 40 módulos em uma noite. Isso é quadrilha que entrou para roubar. Até hoje, não foi dada a solução. Só a parte de farol é de 12 mil e o cavalo mecânico varia de 640 mil a 700 mil”, detalha.

Diante das informações passadas pela categoria de transportes de cargas, o delegado-geral dispôs a fazer os devidos levantamentos para a condução dos trabalhos para chegar aos resultados esperados.

“A gente sofre com o problema sério de falta de efetivo. O delegado de polícia é essencial, principalmente no interior. Estamos trabalhando os concursos para escrivães e investigadores, estamos nas tratativas finais. Vamos buscar montar uma força tarefa com um trabalho intensivo e com equipe específica”, posiciona Dermeval.

Mário adianta que vai organizar uma agenda com integrantes da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) e Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Veículos (Derfva) para tratar sobre o assunto abordado com o deputado e representantes da ATC.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here