A realidade virtual é uma tecnologia usada em muitas áreas, incluindo a educação. É uma tecnologia que permite aos usuários processar dados complexos e interagir com outras pessoas em lugares distantes. É considerada uma das inovações no campo da tecnologia educacional, que permite ao educando ingressar no ambiente tridimensional por meio de sensores mecânicos e ópticos.

A realidade virtual surge da relação de três fatores principais: imersão, interação e participação.

Segundo Rodrigues Porto (2013), o conceito de imersão está relacionado ao seguinte propósito: revelar para o usuário que está imerso em um ambiente virtual, ele pode proporcionar a sensação de estar dentro do ambiente. A interação está relacionada à capacidade do computador de detectar a entrada do usuário e modificar o mundo virtual e as ações nele em tempo real. […] A participação, por sua vez, está relacionada ao grau em que alguém é estimulado a se engajar em determinada atividade, que pode ser ativa (brincar, ver ambientes virtuais) ou passiva (ler livros).
As instituições de ensino sempre repassaram o conhecimento por meio de livros didáticos, no máximo com o apoio de outras mídias (música, filmes, slides etc.).

De modo feliz, a realidade virtual se tornou uma ferramenta para preencher as lacunas existentes nos processos tradicionais. Não importa a que geração pertencemos, todos fazemos parte deste contexto. Assim, independentemente de sermos baby boomers da geração X, da geração Y ou da geração Z… Todos nós precisamos tomar as medidas adequadas para vivenciar este momento histórico em tecnologia e transformação digital.

Atualmente as instituições de ensino usam a realidade virtual em seu ambiente de aprendizagem e constrói novas concepções envolvendo novas tecnologias de informação e comunicação. Como todos sabem, cada educando aprende de forma diferente: alguns aprendem mais facilmente por meio de habilidades orais; enquanto que em outros o aprendizado é conquistado a partir do envolvimento de estratégias visuais. A imersão é a ideia central da realidade virtual, permitindo que as crianças/alunos criem experiências para si mesmos com os objetos de aprendizagem como se tudo fosse real. Dessa forma, a realidade virtual não apenas permite que os professores usem todos esses métodos de aprendizagem, mas também pode “aprimorar” os processos de aprendizagem.

(*) Aldeny Alves de Oliveira, Rosilene Alves Lima são docentes da Rede Municipal de Educação.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here