José Carlos do Pátio: “Se deixar o Solidariedade, poderá voltar às suas origens de MDB e do seu líder e mentor Carlos Bezerra…” (Foto – Arquivo)

1 – SENHORES E SENHORAS,

todos nós sabemos que na semana passada o prefeito Zé Carlos do Pátio (SD) esteve em Brasília para tratar da destinação de emendas parlamentares para Rondonópolis e, principalmente, se reunir com as lideranças nacionais do Solidariedade, para discutir sobre a sua destituição do comando do partido em Mato Grosso.

O prefeito Zé do Pátio foi substituído do comando do SD no Estado pelo deputado federal doutor Leonardo Albuquerque (SD), o qual Pátio levantou suas bandeiras em todas as suas campanhas eleitorais na região e no Estado.

Após este episódio, Pátio já foi convidado para se filiar no PSD, PTB e REDE. Mas agora a grande questão é como ficará a bancada de vereadores do SD, caso o prefeito troque de partido.

Obviamente é que nenhum deles neste primeiro momento poderá trocar de legenda, pois podem perder o mandato por infidelidade partidária, se não tiver um bom motivo para justificar – o que não é o caso, só pelo fato do prefeito ter mudado de partido.

Mas fatos já ocorreram muito na Câmara Municipal, onde um vereador era filiado em uma sigla mas seguia a “cartilha” de outra, até surgir a oportunidade de alguma janela partidária para a troca de partido. E em nossa opinião, caso Pátio troque a legenda, isso irá se repetir novamente.

Ainda imaginamos que nesta troca de partido, alguns dos vereadores que não tem tamanha simpatia por Pátio, poderão ser excluídos do grupo do prefeito e esta bagunça toda será usada como pretexto político.

E num futuro poderemos ver algum desses vereadores se desentenderem politicamente com Pátio e tomar outros rumos, no entanto o poder sempre fala mais alto, tanto para manter os “contrariados” como para receber novos simpatizantes.

 

MAS ATÉ AGORA

o que está “guardado a sete chaves” é o resultado da reunião de Pátio em Brasília com as lideranças do Solidariedade. Será que agora Pátio vai seguir a “cartilha” do deputado federal doutor Leonardo?

Outra coisa que é de se indagar, é se todo este reboliço no SD não seria motivado pelas intenções do prefeito de se candidatar a governador do Estado nas eleições de 2022?

Nesta linha, imaginamos que se Pátio deixar mesmo o SD, ele já irá procurar um partido que lhe dê condições de disputar o governo, e na opinião do Colunista, se ele se filiar em partidos como PSD, PTB e REDE, não conseguirá musculatura para tal projeto.

Para um projeto grande como este, o recomendado é Pátio se filiar no MDB, que tem três deputados estaduais e dois federais, e num possível concesso poderá ter fortes cabos eleitorais no Estado, como exemplos de Thiago Silva na região de Rondonópolis e o deputado federal Juarez na região de Sinop.

Mas talvez uma composição desta seja apenas utopia, no entanto em política tudo pode acontecer e Pátio retornar às suas origens políticas no MDB e ao seu grande líder e mentor, o deputado federal Carlos Bezerra, o que será uma grande surpresa para a política estadual.

 

COMO JÁ PUBLICADO

pelo A TRIBUNA, o quadro de secretários municipais do prefeito continua incompleto e mesmo já estando no mês de março, não vemos qualquer movimentação das secretarias serem preenchidas.

Isso nos leva a crer que estas secretarias continuam vagas para uma possível negociação partidária com o foco na disputa estadual. Para nós, as definições partidárias nas indicações destas secretarias já serão indícios para onde Pátio poderá se filiar e quais os direcionamentos para alavancar ou não seu projeto de governo estadual.

Acreditamos que o MDB deva ficar no comando de alguma secretaria, indicando uma possível filiação de Pátio ou até uma simples aproximação para apoio partidário futuro.

 

2 – SABEMOS QUE

a Câmara Municipal aguarda o julgamento de um recurso apresentado pela Procuradoria da Casa de Leis, junto ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso, para tentar reverter uma decisão de primeira instância que obrigou o Legislativo Municipal a demitir todos os assessores parlamentares, no dia 31 de dezembro de 2020.

A mesma decisão ainda veda os vereadores de contratarem assessores sem a realização de concurso público. Sendo assim, os novos vereadores eleitos e aqueles que conseguiram se reeleger no pleito eleitoral de 15 de novembro passado, estão impedidos de contratar seus assessores parlamentares.

E muitos dos vereadores já se viram na necessidade de pagar do próprio bolso para que os trabalhos de gabinete tenham andamento. Mas durante a semana, percebemos uma verdadeira força tarefa onde advogados de “ponta”, estiveram reunidos com os procuradores da Câmara em busca de uma solução rápida para resolver o problema.

 

Cláudio Paisagista: “Depois da expressiva votação para prefeito é cotado para uma disputa à Assembleia Legislativa, e por um novo partido que poderá ser o PP…”

3 – AQUI NA COLUNA

já falamos por diversas vezes da intenção do Cláudio Paisagista (DC), que foi candidato a prefeito nas últimas eleições e obtendo 17.498 votos, ficando atrás somente do empresário Luizão (20.653) e do prefeito reeleito Zé do Pátio (44.605 votos), em disputar um cargo de deputado nas eleições de 2022.

Também falamos que ele estaria se articulando para se filiar em outro partido para ter mais sustentação em seu projeto, inclusive com várias viagens a Cuiabá para conversar com lideranças partidárias do Estado.

Agora eis a notícia de bastidores de que Cláudio Paisagista poderá se filiar ao PP, que é da base do prefeito Zé Carlos do Patio, para tentar a cadeira na Assembleia Legislativa.

Mas ocorre que na campanha passada, ele bateu duro no prefeito, se tornando uma voz forte de oposição. Se vier a se concretizar essa filiação, como ficará seu discurso em relação à administração de Pátio? Boa pergunta para o futuro responder.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here