Em supras virtudes sem fim. No espírito magnífico do latim. Foste erguida, ó protagonista flor do jardim! O talento de teu templo supera os tempos, sim!

Ó Jardim da sabiedade! Sorbonne Universidade! Palácio da sabedoria ultra. Coração sagrado de Úrsula! Coração da sapiência que pulsa, propulsa e avulta em magnidade!

Sorbonne sois o trombone, o histórico fone da voz do homem no espírito e na fonte da intelectualidade.

Símbolo da sabedoria de Paris. Irreplicável, esplendorável e formidável sua raiz. Esses versos beijam seus séculos de septingentésimo sucesso feliz.

Teu criador tem nome belo e bom. Robert de Sorbon. Pregava Deus e os seus dons. Confessor dos sons do Rei Luis. Ó Universidade, tu carregas em sua paisagem toda a majestade de Paris!

Arquitetura que se derrama pura, prosaica em laica formosura e beleza. O sucesso foi impresso em teu ser excelso, como as cores do progresso na Bandeira Francesa!

Teus alunos têm Prêmio Nobel, como Marie Curie em laurel. “Assim na terra como no Céu!”. Tua dialética prospecta a glória perpétua de teu véu!

Esplêndida primogênita das ciências quão iluminante! Como os fortes e nobres acordes de Marselhesa avante! É presente sem fim, é dádiva p’ra mim, estar doutorando-me em ti, ó Sorbonne brilhante!

Então, marchemos avante! C’a semente eloquente fertilizante! Como a semeadora precursora Marianne invariante…Marchemos avante!

Ó Sorbonne Universidade, flor iluminista no jardim da perenidade! Frondosa na Árvore da Liberdade! Em tuas auroras de robutez, até o Galo Gaulês entoa o Hino Francês com afinidade.

Branqueja, azuleja a beleza da marcha francesa, na vermelheza da atemporalidade!

Ó flor favorita de todos os jardins! Pétalas de Lis, nas cores de Paris. Carregas as pétalas das multi épocas e seus rubis sutis!

Gerações do vasto mundo…Passam e triunfam pelo Arco do Triunfo! Estandarte da ciência e da arte, como o talento de tua Joana D’Arc e do teu Descartes, mui profundos! E nos sonhos de Gaule, tua valentia e coragem. O sopro barroco em tua paisagem, ó flor da verdade no mundo!

Palácio das mentes eternas…Que irromperam as épocas, e transpuseram, compuseram as Eras revolucionantes! Livres, iguais e fraternos! Trabalho, família, Pátria dos eternos! A vida pulsa nos sonhos, nas buscas, na luz que nunca ofusca nem murcha, mas sempre vibrante, então marchemos avante!

Sorbonne, as ciências em Assembleias! Insólita flor no jardim do esplendor das ideias! Palácio dos eternos laços da honra europeia! A grandeza e a formosura que estrutura a sua cultura é pasmante em espessura mui bela, feito aquarela!

Paraíso cultural tão colossal quanto as montanhas. Flor rara que muito exala o cheiro na palma de quem a apanha! Flor que vela, és testemunha eterna da Idade Média, Moderna e Contemporânea!

Lavoisier e Pascal… Frutos do teu conteúdo magnal! São células, são pétalas de grande estética de tua flor épica magistral! Essa flor projeta o teu néctar entre ciências que se conectam em postura magnética transcendental!

Flor de proficiências exalantes… entre as naus viajantes, velantes e oceânicas. Teu ressonante sino retumba nesse Hino, o primeiro na História de teus filhos, ó flor de cheiro fino, propaga-se no teu recinto a fragrância da eterna esperança!

 

(*) Suziene Cavalcante é poeta brasileira e moradora em Rondonópolis.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here