Também há expectativas de aumento na demanda doméstica, especialmente por parte do setor pecuário, no caso do farelo de soja – (Foto: Arquivo)

 

Mesmo com o baixo índice pluviométrico no início da semeadura da safra 2020/21, as ocorrências de chuvas em volumes mais satisfatórios desde a última quinzena de outubro/20 geram expectativas de produção recorde no Brasil, estimada em 134,5 milhões de toneladas pela Companhia Nacional de Abastecimento/Conab (+7,7%) e em 133 milhões de toneladas pelo USDA (+5,6%).

Ainda assim, a relação estoque/consumo final pode ser a menor das últimas nove temporadas, podendo dar sustentação aos preços domésticos de soja e derivados no decorrer de 2021. Isso porque, em 2020, sojicultores aproveitaram os altos patamares de preços e negociaram mais da metade da safra 20/21, segundo pesquisas realizadas pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

 

 

————  CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE  ————
————————————————————————————

 

 

Também há expectativas de aumento na demanda doméstica, especialmente por parte do setor pecuário, no caso do farelo de soja. Além disso, a procura por óleo de soja para a produção de biodiesel deve seguir elevada, desafiando indústrias do setor alimentício quanto ao abastecimento do coproduto.

Vale destacar que, pela primeira vez, o consumo industrial brasileiro de óleo de soja (3,9 milhões de toneladas) deve superar o uso alimentício (3,8 milhões de toneladas).

Segundo o Cepea, apesar das perspectivas positivas, é importante ressaltar que o maior custo operacional das aquisições de insumos – especialmente de fertilizantes – pode limitar as margens do produtor em 2021. Além disso, as exportações podem se desacelerar, visto que a China deve adquirir maior parcela de soja dos Estados Unidos, motivada pelo acordo comercial entre ambos os países.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here