Prefeito Zé do Pátio: “Tem a pretensão de se candidatar ao governo do Estado, o qual poderá disputar contra a reeleição de Mauro Mendes…”

 

1- SENHORES E SENHORAS,

esta é a primeira coluna publicada após o pleito eleitoral, ocorrido no dia 15 de novembro, para a eleição de prefeito, vereadores e a suplementar para o Senado. Desta vez, o Colunista retorna aqui com a experiência ter saído dos bastidores da política para a prática. E olha, o jogo é brutíssimo, no entanto, uma experiência de vida para refletirmos melhor sobre o autoconhecimento e as análises.

 

JÁ SOBRE O

resultado da campanha política, este não foi muito diferente do que se discutia anteriormente ao pleito, onde a divisão da oposição resultaria na reeleição do prefeito Zé Carlos do Pátio (SD), o qual se reelegeu e com muita folga, até mesmo além das expectativas.

Agora uma informação de bastidores é que no próximo pleito eleitoral, 2022, o prefeito Zé Carlos do Pátio não irá para uma disputa a um cargo legislativo, mas sim terá a pretensão de se candidatar ao governo do Estado, o qual poderá disputar o pleito em Mato Grosso contra o possível projeto de reeleição do governador Mauro Mendes, o qual já sabemos que não vem tendo uma boa aprovação pela maioria, hoje.

E Pátio que é político astuto, já teria percebido isso e irá tentar com todas as forças para colocar Rondonópolis na “vitrine” do desenvolvimento, como forma de divulgar o seu trabalho como gestor e tentar conseguir se eleger governador de Mato Grosso.

Neste projeto, ao que tudo indica, Pátio receberia o retorno que deu à eleição do senador Carlos Fávaro. Além disso, continuaria com o apoio do deputado estadual Nininho (PSD), que foi um grande vitorioso neste pleito em várias regiões do Estado, o qual certamente irá concorrer a mais um mandato de deputado estadual – ou seria à Câmara Federal?. E neste bloco, é claro que não faltaria na campanha de Pátio, o apoio e articulações do deputado estadual Wilson Santos dentro do PSDB.

 

E SE O PROJETO

for mesmo este, o prefeito reeleito tem muito trabalho pela frente nesses próximos dois anos, pois apesar das muitas obras que surgiram em pleno ano eleitoral, ainda existe muita coisa para fazer por nossa cidade, como exemplo a conclusão dos parques ambientais, que são obras empacadas em nossa cidade, assim como as obras do Residencial Celina Bezerra; outro exemplo é resolver os problemas de drenagem da região do Sagrada Família e também Parque Universitário; além do empacado problema do transporte coletivo, será mesmo municipalizado ou conseguirá realizar uma nova licitação?. Como vemos, Pátio terá muito trabalho antes de dar tamanho passo a uma pré-candidatura ao governo estadual.

 

CONTUDO

é de se salientar, que apesar da grande vitória, a maioria dos rondonopolitanos não votou em Zé do Pátio, e como prova estão os números da apuração das urnas, quando ele alcançou 44% dos votos válidos.

Como sabemos, o município de Rondonópolis já ultrapassou a marca dos 155 mil eleitores aptos para o voto. Deste montante, Zé do Pátio recebeu 44.605, o que corresponde a 29% do eleitorado. O maior número de abstenções da história, que ultrapassou a marca dos 45 mil eleitores, que poderiam ter ido votar e não foram.

Ou seja, o número de abstenções foi maior do que a quantidade de votos recebida por Zé do Pátio, reeleito com seus 44. 605 votos. É lógico que foi a pandemia que ocasionou esse alto índice de abstenções, mas não deixa de ser um sinal claro do alheiamento da população em relação ao quadro dos seus representantes políticos.

 

2- FALANDO AGORA

do destino dos outros candidatos a prefeito que não conseguiram a eleição, nós avaliamos que apesar da derrota, o ganho político existe, levando pela premissa de que, quem concorre a um pleito eleitoral, sempre ganha algum trunfo.

Logo, imaginamos que candidatos derrotados como Luizão (PRB), que teve uma votação de 20.653 votos, Cláudio Paisagista (DC), 17.498 votos e Thiago Muniz (Dem), com 13.844 votos, ainda têm chances reais de disputar o pleito eleitoral de 2022, a uma vaga de deputado estadual. E olha, muitas conjecturas neste sentido já estão sendo discutidas nos bastidores e acreditamos que já no primeiro semestre do ano que vem, já comece a ocorrer as acomodações partidárias com este foco.

 

Thiago Silva e Thiago Muniz: “Ambos poderão disputar cargos legislativos em 2022, um para deputado federal e o outro deputado estadual…”

3- EM TODO ESTE

cenário das eleições municipais, muita gente diz que o deputado estadual Thiago Silva (MDB) teria saído no prejuízo, pois estava no arco de aliança de Thiago Muniz, candidato a prefeito que acabou ficando na quarta colocação do pleito.

Quando deveria ser ele o candidato a prefeito que talvez conseguiria unir a oposição e derrotar Zé do Pátio nas urnas. Mas analisamos que Thiago Silva não tenha saído com tal desgaste, pois tem base forte e o MDB ainda reelegeu dois vereadores, Adonias Fernandes e Cláudio da Farmácia, e mais um novato, o Investigador Gerson, ficando com três vereadores na Câmara Municipal. Além disso, teve boa parte da chapa emedebista com votações de destaque, como os candidatos Mariúva, Fábio Cardoso (que não se reelegeu), Wilber Maciel, Sibele Araújo, Camargo Pires e outros.

Podemos até projetar que os dois Thiago estarão juntos no pleito estadual de 2022, numa dobradinha de apoios, sem coligações, com Thiago Silva saindo para deputado federal e Thiago Muniz candidato a deputado estadual. Porém, é prudente dizer que Thiago Silva só sairia candidato a deputado federal, caso o cacique emedebista deputado federal Carlos Bezerra recue da sua reeleição.

No entanto, em dois anos, muita coisa pode acontecer. “Política é como nuvem. Você olha e ela está em um lugar. Olha de novo e ela já mudou”. Sendo assim, nada também impede os dois Thiago disputarem uma eleição num arco de aliança com o projeto de Pátio em disputar o governo estadual. O Futuro a Deus pertence!.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here