As eleições municipais passaram, mas seus principais personagens – os candidatos a prefeito – não ficaram desapercebidos ao olhar crítico e bem-humorado do chargista e desenhista Generino Oliveira Rocha, do Jornal A TRIBUNA. Ele se valeu do interessante cenário político verificado para retratar nas nossas páginas, entre os dias 17 e 26 deste mês, ilustrações com uma dose de humor dos resultados verificados nas urnas.

O contexto ilustrado não podia ser melhor. Rondonópolis teve um pleito atípico, com um expressivo número de candidatos a prefeito, favorecendo a reeleição do prefeito Zé Carlos do Pátio, situação que era amplamente comentada, uma vez que um número maior de candidatos dividiria a oposição e beneficiaria o atual gestor.

Outro detalhe foi a eleição em uma pandemia, que limitou a mobilização dos candidatos. Localmente, contudo, as campanhas, em sua maioria, desrespeitaram as medidas sanitárias recomendadas para o período, como o distanciamento social, uso de máscaras e sem promoção de aglomerações.

Confira, nesta edição, a coletânea e a contextualização das charges do Generino, que muito bem retrataram os resultados das eleições em Rondonópolis:

 

Dia 17/11

Ubaldo Barros (Cidadania)

A primeira charge dessa série especial foi publicada na edição de 17 de novembro e teve como personagem o candidato Ubaldo Barros, sendo um dos que protestou contra a pesquisa do Ibope/A TRIBUNA, que foi publicada no dia 4 de novembro e o dava com menos de 1% da preferência.

Ele chegou a exibir nas redes sociais um vídeo gravado na frente do A TRIBUNA questionando a pesquisa e acusando o jornal de estar a mando de outros candidatos.

Nesse vídeo, ele garantia que a verdadeira pesquisa seria dia 15 de novembro, quando ele seria eleito o prefeito de Rondonópolis. Contudo, o resultado oficial o trouxe com 789 votos, correspondendo a 0,78% dos votos válidos.

E o que foi ilustrado pelo chargista foi o caricato Ubaldo Barros cavando buracos, à procura dos seus votos que não apareceram nas urnas.

 

Dia 18/11

Zé Carlos do Pátio (Solidariedade)

O prefeito Zé Carlos do Pátio foi reeleito com 44.605 votos, ou 43,87% dos votos válidos. Sua vitória confirma a divisão de votos entre seus opositores e, por outro lado, sua intensa campanha para aglutinar votos em torno do seu nome. Em seu desfavor, havia o fato de ser o candidato com maior rejeição.

Foi fundamental para sua reeleição a grande quantidade de obras lançadas em todas as regiões da cidade, mesmo diante de várias críticas de priorização da infraestrutura em detrimento de investimentos em saúde. Assim, a charge mostra o Zé do Pátio dando lição aos 2º e 3º colocados de como se fazer política em Rondonópolis.

 

Dia 19/11

Luizão (Republicanos)

O empresário Luizão parecia ser o candidato ideal reivindicado por grande parte da população rondonopolitana, por ser um gestor conceituado, bem-sucedido e presidente da Associação Comercial com grande envolvimento em movimentos reivindicatórios para a cidade. No entanto, não conseguiu unir em torno do seu nome os grupos de Cláudio Ferreira e Coronel Bonoto.

Apesar de ter ficado em 2º lugar, acabou bem abaixo do eleito, com 20.653 votos, representando 20,31% dos votos válidos. Ele esperava uma votação consagradora, por isso aparece na charge do Generino questionando o seu número de votos. Numa tirada de humor, foi usada como referência na resposta da urna o slogan da sua empresa: Agroferragens Luizão – Só não tem o que não tem.

 

Dia 20/11

Cláudio Ferreira (Democracia Cristã)

O empreendedor Cláudio Ferreira, ou Cláudio Paisagista ou o “Jardineiro” como ficou conhecido na campanha, foi outro candidato que disputou um pleito eleitoral pela primeira vez neste ano.

Sua terceira colocação surgiu como uma surpresa para muitos, alcançando 17.498 votos, ou 17,21% dos votos válidos. Diante do seu desempenho, ele foi apresentado na charge regando seus votos, como se essa campanha fosse uma planta para ser colhida nas próximas eleições.

 

Dia 21 e 22/11

Thiago Muniz (Democratas)

Vereador por dois mandatos, empresário da construção civil e pertencente a um forte grupo político, no caso o DEM, Thiago Muniz acabou entrando numa “guerra de pesquisas” na disputa pelo segundo lugar no pleito. Assim, aderiu a uma campanha em busca do voto útil do eleitorado, em que o segundo colocado nas pesquisas poderia receber os votos daqueles que não queriam a reeleição do prefeito.

Inclusive, chama a atenção uma pesquisa divulgada na véspera da votação, dia 14 de novembro, que apresenta Thiago em empate técnico com Zé do Pátio. No fim, ele teve 13.844 votos, representando 13,62% dos votos válidos. Foi abordado na charge do dia afirmando de forma irônica que a pesquisa até que estava certa, considerando uma margem de erro de 30%.

 

Dia 24/11

Kléber Amorim (PT)

Dr. Kléber Amorim é um médico conceituado no atendimento em Rondonópolis e foi candidato a prefeito pelo Partido dos Trabalhadores, que nunca teve grandes votações para a majoritária na cidade. Utilizou muito na sua propaganda eleitoral na TV a imagem do ex-presidente Lula, o que não representou forte cabo eleitoral, considerando que ficou com 2.114 votos, ou 2,08% dos votos válidos.

Dessa forma, a charge do Generino foi em torno de um possível arrependimento do candidato por ter usado a imagem do Lula, que parece não ter ajudado muito.

 

Dia 25/11

Coronel Bonoto (PRTB)

O anúncio da candidatura do comandante regional do Corpo de Bombeiros, Coronel Bonoto, foi uma surpresa, sendo apoiado por um grupo de empresários que defende o conservadorismo e a política do presidente Jair Bolsonaro. Esse grupo disputou com Cláudio Ferreira a condição de ser o candidato do presidente, o qual externou que não ia se envolver com candidaturas a prefeito nestas eleições.

Foi campanha simples, com apenas 10 candidatos a vereador, que não atingiu coeficiente eleitoral para uma vaga na Câmara Municipal. Formou chapa pura, ficando sem tempo de Rádio e TV, o que dificultou levar suas propostas até os lares.

Ficou com 1.786 votos, representando 1,76% dos votos válidos. A charge ilustrou o Coronel Bonoto sendo questionado por não ter conseguido derrotar a campanha do prefeito Zé do Pátio, fazendo um trocadilho com a sua profissão militar nos Bombeiros.

 

Dia 26/11

Kleison Teixeira (Psol)

O candidato Kleison Teixeira foi o último colocado no pleito deste ano de 2020, com 385 votos, ou 0,38% dos votos válidos. Fez a campanha mais humilde de todas, com pouca visibilidade no município.

A última charge dessa série o apresentou, dessa forma, de lanterna na mão, fazendo uma analogia à sua colocação, focalizando seus poucos votos, tendo o consolo de não ter que se sujeitar à difícil situação do adversário Ubaldo.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here