Apesar de os trabalhos estarem quase finalizados, muitas áreas precisaram ser ressemeadas no estado devido à seca – (Foto: Arquivo)

 

Mesmo com o atraso nas chuvas, a semeadura da safra 2020/21 de soja em Mato Grosso alcançou 98,47% das áreas, superando o percebido no mesmo período do ano passado.

Apesar de os trabalhos estarem quase finalizados, muitas áreas precisaram ser ressemeadas no estado devido à seca. O levantamento foi divulgado ontem pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Segundo o Imea, as regiões médio-norte, noroeste, norte e oeste do estado estão com mais de 99% da área prevista para cultivo semeada com soja.

A região sudeste (que engloba Rondonópolis e Primavera do Leste) está com 98,34% da área semeada. As regiões mais atrasadas são as centro-sul e nordeste do estado.

A previsão é que Mato Grosso cultive nesta safra 10.302.565 hectares de soja nesta safra atual, representando um acréscimo de 3,18% em relação à safra 2019/20.

O maior aumento de área plantada deve ocorrer na região norte, saltando de 421.336 hectares para 473.896 hectares (alta de 12,47%). A estimativa de produção na safra atual é de 35.868.517 de toneladas no estado.

Enquanto a safra atual vai se definindo, o Imea trouxe ontem a primeira estimativa do custo de produção da soja para a safra 21/22, trazendo um custo total de produção 10,02% superior ao custo total esperado para a temporada 20/21.

Os principais fatores que impactaram neste aumento foram os insumos, o arrendamento e o custo da terra, os quais valorizaram devido à alta do dólar e da soja neste ano.

O Imea calcula que a primeira previsão do dólar ponderado pela comercialização de insumos está 13,53% acima à do dólar da safra 20/21. Isso foi suficiente para afetar o preço de aquisição de sementes, fertilizantes e defensivos em 9,08%, 9,07% e 10,90%, respectivamente. Já o arrendamento e custo da terra foram influenciados pela alta da soja, que teve como uma das causas o câmbio elevado, além das demandas interna e externa muito fortes.

Com mais de 24,00% dos insumos já negociados, a primeira estimativa de custo total da safra 21/22 é de R$ 4.619,74/ha em Mato Grosso.

O aumento dos custos previstos para a safra 21/22 influenciou na alta do ponto de equilíbrio no Estado. Com isso, de acordo com o Imea, agora o sojicultor precisará de R$ 59,54/sc para cobrir seu Custo Operacional Efetivo (COE).

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here