Assembleia geral em Cuiabá definiu pelo retorno ao trabalho – (Foto: Divulgação)

 

A greve dos trabalhadores dos Correios, que teve início no dia 18 de agosto, foi encerrada ontem (22) após assembleia realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores nos Correios de Mato Grosso (Sintect/MT).

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) havia determinado, na segunda-feira (21), no julgamento do dissídio coletivo, o retorno dos trabalhadores em todo o país, sob pena de multa diária de R$ 100 mil às entidades representativas, em caso de descumprimento.

Embora em vários municípios os serviços tenham sido retomados após a decisão do TST, muitos trabalhadores aguardaram a decisão coletiva, tomada portanto nas assembleias realizadas em cada estado, como ocorreu na tarde de ontem, em Cuiabá.

 

 

————  CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE  ————————————————————————————————

 

 

Com isso, hoje (23) o trabalho será retomado em Rondonópolis, com o retorno de entrega das correspondências. Contudo, a normalização dessas entregas deve demorar, já que foram mais de 30 dias de materiais represados no CDD – Centro de Distribuição Domiciliar, na Avenida Goiânia.

O término da greve deve por fim a um problema que se criou na cidade, sendo a fila no CDD para aqueles que tiveram alguma mercadoria liberada neste período de greve, podendo fazer a retirada no local. Expostos ao sol, os clientes apresentavam muita insatisfação com a situação.

Segundo os Correios, a compensação das horas não trabalhadas pelos grevistas também foi determinada pelo TST.

“Mutirões de entrega continuarão sendo realizados com o apoio dos empregados das áreas administrativa e operacional, unidos em prol da manutenção dos serviços da estatal”.

 

Sentença normativa

O julgamento do TST decidiu por manter as cláusulas propostas pela empresa, entre elas vale-alimentação/refeição, com a inclusão de outras cláusulas de caráter social.

O tribunal também determinou a correção salarial em 2,6%. Os Correios continuam com a missão de promover o saneamento de suas finanças, consonante com determinações do Ministério da Economia, preservando empregos, salários e todos os direitos previstos na CLT, bem como outros benefícios do seu efetivo.

 

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here