A operação do Procon-SP, batizada de Preço nas Alturas, notificou supermercados a apresentar notas fiscais de compra e venda de itens da cesta básica para apurar eventual aumento injustificado de preços – (Foto: Divulgação)

 

Agentes fiscais do Procon-SP notificaram ontem (14) 21 estabelecimentos comerciais a apresentar notas fiscais de compra e venda de itens da cesta básica para apurar eventual aumento injustificado de preços.

A operação do Procon, batizada de Preço nas Alturas, que vai continuar nos próximos dias, está averiguando a elevação dos preços do arroz (pacote de 5 quilos), óleo e carnes vermelhas (patinho, coxão mole, coxão duro e contrafilé).

Segundo o Procon, até o momento, os maiores preços encontrados em São Paulo, foram: R$ 27,90 no arroz tipo 1 (pacote de 5 kg); R$ 7,73 no óleo de soja (900 ml); e nas carnes, R$ 47,69 o quilo do patinho; R$ 55,61, coxão mole; R$ 53,11, coxão duro e R$ 64,99, o contrafilé.

“Nós iremos comparar a nota de compra de cada item com o preço da prateleira para verificar se há margem de lucro muito ampliada, que é uma prática abusiva, e os abusos não serão tolerados.

As operações continuam para garantir à população de baixa renda o acesso aos produtos da cesta básica”, disse o secretário de defesa do consumidor, Fernando Capez.

 

Caso seja identificado um aumento desproporcional nos valores, as empresas responderão a processo administrativo.

Fiscalização

Motivados por denúncias e matérias noticiando aumentos nos preços de alimentos essenciais da cesta básica, as equipes de fiscalização estão visitando supermercados e estabelecimentos de venda no varejo para verificar e identificar possíveis aumentos em todo o estado.

Tal operação deve ser replicada pelos Procons de todo o país, uma vez que há uma quantidade considerável de relatos por diversas cidades do país.

É provável que algumas cidades do estado de Mato Grosso, que é considerado grande produtor da maioria dos itens fiscalizados, devam ter equipes de fiscais checando se, de fato, existem supermercados cometendo prática abusiva de preços em plena pandemia do novo coronavírus.

Para denunciar preços abusivos, o consumidor pode utilizar o site do Procon (www.procon.mt.gov.br).

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here