O coração acelera,
borboleta
no estômago,
ou caindo numa valeta.

Bem próximo
chega.
Apaixonada,
me cega.

Não nota
meu negro scarpin
a roupa colada,
o que será de mim?

Ah! Sei que nota,
pois seu olho brilha.
Me desconcentra,
meu sangue fervilha.

As palavras somem,
nada irriga,
as mãos gelam, o fôlego encurta,
dá um frio na barriga.

(*) Hermélio Silva é escritor e membro fundador da Academia Rondonopolitana de Letras, cadeira número 6.

 

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here