O vereador Thiago Muniz fez um alerta realmente pertinente na sessão ordinária da Câmara desta semana, chamando a atenção para a possibilidade de o Município perder os recursos provenientes do Ministério do Turismo para a obra de duplicação dos cerca de 2,5 quilômetros da Avenida Poguba, obra que foi lançada em abril de 2019 e paralisada depois de serem instalados cerca de 300 metros de manilhas para drenagem das águas da chuva.

O risco de perder o recurso, de R$ 6.732.655,67, decorre do fato de que esse convênio, como os demais, tem um prazo de validade e as obras obviamente têm que ser executadas dentro de prazo, ou o recurso retorna para a sua origem. Dessa forma, é muito válido o alerta do vereador, pois essa é uma possibilidade concreta, visto a morosidade como a Prefeitura age nesse e em outros casos parecidos. E se hoje o transtorno para os motoristas que transitam por ali cotidianamente e para os moradores dos bairros próximos é grande, imagine essa situação se prolongando por um tempo indefinido. É assustador, para se dizer o mínimo!

Para dar início a essa obra, a Prefeitura derrubou dezenas de pés de ipês em plena época de florada, além de ter retirado o asfalto em um trecho da avenida, dificultando a vida de quem precisa trafegar por ali. Ou seja: é um absurdo atrás do outro, uma incapacidade de planejar e executar obras públicas gritante! Até hoje as pessoas se perguntam porque derrubaram as árvores e retiraram o asfalto se não havia como tocar a obra até o seu final. No caso dos ipês, o argumento foi justamente o de que não haveria prazo para efetuar mudanças no projeto original, mas não é isso que aparenta.

De qualquer forma, é preciso que o poder público municipal se toque que não é normal fazer o estrago que a Prefeitura fez no local, alegando a urgência de executar a obra, para em seguida abandoná-la, seja por qual motivo for. Da mesma forma, é preciso mover céus e terra se preciso for para garantir o recurso, pois não dá de deixar a situação como está, com a população sofrendo por conta da incapacidade de planejamento do poder público…

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here