O brincar e a ludicidade da criança acontecem a todo momento, afinal, é dessa maneira que se constitui e ocorre seu aprendizado para a vida, pois ao interagir com o meio onde está inserida, ocorrem as experiências necessárias para seu desenvolvimento integral.

De acordo com Vygotsky (1991) a brincadeira é entendida como atividade social da criança, cuja natureza e origem especificam são elementos essenciais para construção de sua personalidade e compreensão da realidade na qual se insere.

Sendo assim, o brincar livre quanto o brincar direcionado é muito importante para o desenvolvimento do pensamento infantil. Pensando em um brincar direcionado na escola onde as aprendizagens pedagógicas são elaboradas com objetivos claros e precisos para oportunizar novos conhecimentos e aprimoramentos dos conhecimentos prévios já existentes da criança ali inserida.

Dessa forma, ao propor atividades elaboradas o professor de Educação Infantil desenvolve seu trabalho analisando os aspectos cognitivos, sociais, emocionais e físicos, visando um desenvolvimento integral da criança e estando atento aos desafios a elas propostos, registrando os avanços e novas descobertas para assim direcionar seu trabalho pedagógico.

Portando, para dar mais sentido às brincadeiras, as instituições de educação infantil oportunizam atividades que possibilitam utilizar sua imaginação, criatividade, equilíbrio, agilidade, movimento e raciocínio. Assim, o brincar livre e o brincar dirigido desenvolvem uma inter-relação positiva.

No brincar livre a criança utiliza sua cultura lúdica aliada ao que aprendeu no brincar dirigido. Por sua vez, será observado no brincar dirigido as experiências adquiridas pelo brincar livre com outras crianças. Através do brincar e a partir do sentimento que aflora em cada brincadeira, a criança faz a leitura de mundo e aprende a lidar com ele, recria, repensa, imita.

Quando a criança tem oportunidade de escolha, que inicia com o brincar, ela exercita sua liberdade, e assim se torna uma criança mais observadora e crítica. Sendo assim, para que a criança enfrente o mundo ela precisa ser sociável, manifestar desejos e expressar opiniões assim, a criança precisa saber seu papel, nos diversos âmbitos sociais como: na sua casa, na escola, no bairro enfim, na sociedade e a partir desses conhecimentos apropriarem de suas escolhas.

Portanto, no brincar a criança aprender elaborar suas reflexões, estratégias, independência e criatividade e autonomia, permitindo que aumente suas experiências e do grupo na qual está inserida. Contudo, refletindo sobre o exposto, entende-se que o papel da educação infantil é proporcionar um ambiente propício para o desenvolvimento integral das crianças ali inseridas.

(*) LUCIANE FÁTIMA PESCADOR, Mestranda em Educação/UNADES; Especialista em Educação Infantil e Alfabetização – Instituto Cuiabano; Graduada em Letras/UFMT; Professora de Educação Infantil e atuando na Coordenação Pedagógica do CMEI Professor Giovanni Gomes Moreira. Rondonópolis
(*) ROSELY ZANATA FLORENTINO, Mestranda em Educação/UNADES; Especialista em Educação Especial e Inclusão no Espaço Escolar/Faculdade Afirmativo; Graduada em Letras/UFMT; Professora de Educação Infantil do CMEI Professor Giovanni Gomes Moreira. Rondonópolis
(*) ROWAYNE SOARES RAMOS, Doutorando em Ciências da Educação/UNADES; Mestre em Educação/UFMT; Esp. Em Linguística e Metodologia do Ensino e Graduado em Letras/UNIVAG. Escritor e Professor/Pesquisador. Obra: Letramento na prisão? Ed. Appis, Curitiba/PR

 

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here