Marildes Ferreira: “Poderá puxar votos para a eleição de outros nomes de sua chapa. Agora resta saber se ela será mesmo candidata a vereadora ou a prefeita…”

1 – SENHORES E SENHORAS,

no domingo passado falamos muito do foco de uma candidatura à reeleição do prefeito Zé Carlos do Pátio (SD), que na nossa análise, nada mais é que um projeto de trampolim político para tentar disputar o governo do Estado nas eleições de 2022. Agora o que não comentamos na última edição da Coluna, é que para chegar ao governo estadual Pátio tem que corrigir muito dos seus vícios, o primeiro deles a conduta de centralizar as decisões e travar a máquina, como fez em seu primeiro mandato de prefeito e também nos primeiros dois anos do seu atual mandato. Se em Rondonópolis esta centralização foi devassadora para várias decisões, imagina no governo estadual onde a máquina pública é gigantesca? Já pesaram nisso? Para Pátio conseguir emplacar um projeto desta magnitude, terá que estar muito, mas muito bem, com a classe política estadual. No entanto, conforme também já dissemos, ele vem é na contra mão da política da boa vizinhança. Além disso, terá que prestar serviços públicos de excelência ao ponto de Rondonópolis se tornar a vitrine para o seu projeto estadual. E o que estamos vendo neste seu mandato de prefeito, é que deixou a cidade dois anos estagnada e só agora, à partir do segundo semestre do seu terceiro ano de governo é que algumas obras começaram a aparecer. Conduta da velha politicagem que deixa para trabalhar em prol da cidade no apagar das luzes do mandato, como forma de se promover para as próximas eleições e na certeza de que para o povo “a última imagem é a que fica”. Porém, nesta atualidade os eleitores estão bem atentos a essa velha forma de governo.

2 – FOMOS INFORMADOS

que no dia do aniversário da cidade, 10 de Dezembro, que é a data da sua emancipação política e administrativa no ano de 1953, Pátio estará inaugurando um pacote de obras, mas construções que em sua maioria serão entregues com muito atraso. Para esta data, também está previsto o lançamento de novas obras, para as quais o Município não tem dinheiro em caixa para construir, mas para fazer campanha tudo vale para conquistar o eleitorado.

AINDA SOBRE

o projeto de reeleição do prefeito Zé Carlos do Pátio, os comentários nesta semana foram de que, pelo menos um dos 13 processos que ele responde por acusação de improbidade administrativa, já está tramitando na terceira instância da justiça em Brasília. Ainda não sabemos ao certo qual deles, mas a conversa é que poderá inviabilizar a reeleição de Pátio. Tal informação vem de encontro ao que já falamos aqui na Coluna, onde o atual secretário de Habitação Paulo José Correia é o plano “B” do Partido Solidariedade para uma candidatura a prefeito, caso Zé do Pátio tenha os direitos políticos suspensos.

LEMBRAMOS QUE

Zé do Pátio foi condenado recentemente à suspensão dos direitos políticos por cinco anos, pagamento de multa civil e proibição de contratar com o Poder Público ou receber incentivos fiscais ou creditícios por três anos. A decisão é do juiz Francisco Rogério Barros, da Primeira Vara Especializada da Fazenda Pública. Ele julgou procedentes os pedidos formulados pelo Ministério Público do Estado (MPE) em uma ação civil de improbidade administrativa. Ele foi condenado por irregularidades num contrato de publicidade que teve preço inicial de R$ 600 mil e que após uma série de aditivos subiu para R$ 4,6 milhões. Agora Pátio recorre da decisão.

3 – PARA QUEM DIZ

que talvez Zé do Pátio não vá à reeleição, pelo menos o caminho ele já está preparando e até parece ter acordado para a realidade de que precisa de apoio político para voar mais alto. Tanto é que na última sessão da Câmara Municipal, o prefeito esteve presente com direito a discuso na tribuna. Basicamente, o discurso de Pátio foi de união entre os poderes da União e do Estado para com o município, onde deixou claro que para isso os vereadores terão que se unir em prol a cidade, assim como a bancada de deputados federais e estaduais de Mato Grosso.

4 – E O GRUPO POLÍTICO,

formado por lideranças de nove partidos, que está ensaiando uma união para contrapor ao projeto de reeleição do prefeito Zé do Pátio (SD), voltou a se reunir no sábado, 16. Hoje ainda é consenso dentro do grupo que é necessário apenas uma candidatura a prefeito para contrapor a reeleição do Zé. E hoje vários levantamentos do grupo apontam que os principais nomes para encabeçar uma chapa majoritária está entre o deputado estadual Thiago Silva e o empresário e vereador Thiago Muniz. Ambos para a população são avaliados como jovens que poderão repaginar a forma de administrar o município. Mas para todo bom entendedor de política, o quadro irá se definir mesmo entre os meses de março a abril do ano que vem.

5 – FALANDO

um pouco sobre candidatura proporcionais, ou seja, de pré-candidatos a vereadores, o que está chamando a atenção de quem sabe mesmo fazer política, é a chapa montada pelo PSB. Ocorre que na chapa terá como pré-candidata a vereadora a ex-secretária de Saúde Marildes Ferreira, a qual teve excelente votação nas últimas eleições quando disputou uma vaga para a Câmara Federal. É analisado que nesta chapa o nome de Marildes poderá puxar para a eleição muitos outros nomes. Agora resta mesmo saber se ela será candidata a vereadora ou de última hora virá a disputa a eleição majoritária para prefeito.

 

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here