“É um caso complicado e precisamos trabalhar nele, pois quanto mais tempo passa, mais difícil fica para as investigações”, afirmou o delegado regional João Paulo de Andrade Farias. – (Foto: Divulgação)

A Polícia Judiciária Civil (PJC) ainda não tem pistas que levem ao paradeiro do garoto Samuel Victor da Silva Gomes Carvalho, desaparecido desde o último dia 20 de outubro, e continua com suas investigações. Os investigadores não descartam nenhuma possibilidade e ainda mantém a esperança de desvendar o caso e encontrar o garoto com vida.

De acordo com o delegado regional da PJC em Rondonópolis, João Paulo de Andrade Farias, os investigadores já fizeram todas as buscas possíveis tanto no bairro onde o menino morava como no Ribeirão Arareau e nada encontraram, mas as investigações prosseguem.

 

 

————  CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE  ————
————————————————————————————

 

 

“Nós ainda estamos levantando informações sobre algumas linhas da investigação, como a respeito de uma pessoa em um veículo preto que teria abordado o menino um dia antes do seu desaparecimento, assim como estamos apurando outras informações que ainda não podemos falar no momento”, afirmou.

Samuel Victor: sumiço continua sendo um grande mistério – (Foto: Divulgação)

Ainda de acordo com o delegado, na atual fase da investigação já foram ouvidos todos os familiares do menino e pessoas que tiveram contato com Samuel nos dias próximos ao seu desaparecimento, mas até o momento não surgiu nenhuma pista que pudesse indicar o destino ou o paradeiro do garoto.

“É um caso complicado e precisamos trabalhar nele, pois quanto mais tempo passa, mais difícil fica para as investigações. Porém, nós estamos analisando todas as possibilidades e ainda temos a esperança de recuperarmos o menino”, reiterou o delegado.

O garoto Samuel desapareceu da casa de sua avó, que cuidava do menino como mãe, na tarde do último dia 20 de outubro, após pular o portão da residência, conforme versão apresentada pela família. O caso tem comovido a população local e mobilizado as polícias.

As investigações estão a cargo da Delegacia Especializada dos Direitos da Criança e do Adolescente (Dedica), sob a responsabilidade da delegada Karla Cristina Peixoto Azevedo, que não foi localizada para falar a respeito.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here