A abertura do curso foi realizada ontem, no auditório do Comando Geral, em Cuiabá – (Foto: Divulgação/Sesp)

 

Começou ontem (08.11) o 2º Curso de Intervenção Rápida (CIR), que visa capacitar os agentes penitenciários (Agepens) para atuação no Grupo de Intervenção Rápida (GIR-MT). Os 58 participantes serão qualificados para ações de rebeliões, motins, escoltas, entre outras práticas relativas ao grupamento. A abertura foi realizada pela Secretaria Adjunta de Administração Penitenciária (Saap) da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), no auditório do Comando Geral da Polícia Militar (PM-MT), em Cuiabá.

Além dos 50 agentes penitenciários de Mato Grosso, o curso também teve inscritos dos estados de Goiás (4) e Tocantins (2). Também conta com dois integrantes do Batalhão de Ronda Ostensiva Tática Móvel (Rotam) de Mato Grosso.

O secretário adjunto de Administração Penitenciária, Emanoel Flores, ressaltou a importância das capacitações no serviço público. “Nesses três anos tudo tem sido feito com o apoio de todas as instituições de segurança pública e agora a integração está ainda mais fortalecida. Buscamos sempre a excelência nas capacitações, por meio da Escola Penitenciária, e os resultados têm sido muito positivos”.

Segundo o juiz da Vara de Execuções Penais de Mato Grosso, Geraldo Fidélis, a qualificação é um ato de valorização dos servidores que reflete nos serviços prestados à sociedade. “Precisamos investir no servidor, promover capacitação e valorizar. Tenho certeza que Mato Grosso possui agentes penitenciários capacitados e capazes de fazer a segurança do sistema. Vimos a forma como a operação na PCE (Penitenciária Central do Estado), por exemplo, repercutiu positivamente junto à sociedade, principalmente com relação à redução da criminalidade”.

O curso ocorrerá em regime de tempo integral (internato) durante período de 25 dias, com atividades que poderão ocorrer aos sábados, domingos e feriados. O diretor da PCE e criador do GIR, Agno Ramos, frisou que o formato do curso visa preparar os alunos para a garantia da manutenção da ordem e disciplina dentro das unidades. “As atividades, teóricas e práticas, oferecerão capacidade técnica, física e mental para atuação em intervenções rápidas. É preciso trabalhar tanto o aspecto técnico quanto psicológico”.

DEDICAÇÃO E DISCIPLINA

Lotada na Cadeia Pública de Campo Novo do Parecis, Ivanilda Sabino afirmou que espera concluir o curso com êxito para integrar o GIR. “Faço parte da unidade onde o GIR nasceu e meu objetivo é ser qualificada para compor o grupo. Trabalhei como agente em Rondônia e posso dizer que o Sistema Penitenciário de Mato Grosso é bem mais preparado”, avaliou ela, que tem 32 anos de idade.

Agente penitenciário há 15 anos e com 36 de idade, Rodrigo Santos atua na Gerência de Custódia de Cuiabá, e também espera compor o GIR, além do núcleo de operações táticas especializadas da PCE. “A qualificação técnica é muito importante, busco o treinamento constantemente, estou focado no curso e vou me dedicar ao máximo para contribuir com a segurança pública e impedir as práticas criminosas dentro das unidades penais”, assegurou.

O GIR é o grupamento especializado que tem como missão atuar em intervenções rápidas em recinto carcerário visando à manutenção e restabelecimento da ordem, disciplina e segurança dos estabelecimentos penais de Mato Grosso. A atuação, conforme a Instrução Normativa Nº 05/2018/SEJUDH, de 09 de maio de 2018, ocorre em conjunto com os demais servidores, grupos especializados do Sistema Penitenciário e instituições da Segurança Pública.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here