(*) Wilson Fuáh

Muitas vezes nomeamos alguém como nosso inimigo, porque é mais fácil e mais barato perdoar apenas um. Talvez porque na complexa idiotice, perde-se muito tempo buscando inimigos, e mesmo quando não os encontra, cria-se a necessidade de ter pelo menos “unzinho”, e essa necessidade faz com que indiquemos a pessoa mais próxima, e assim, passam a dizer que o inimigo dorme ao nosso lado, e que além de perturbar o nosso sono, será um estorvo pela vida toda.

Ao sentir a ausência dos sentimentos considerados inferiores, as pessoas passam a ter transparência no entendimento e deixam de desviar o olhar para não encarar alguém que tenta aproximar; quando a necessidade de promover certos julgamentos precipitados, fica caracterizado quando ainda há necessidade de virar o rosto , ou mudar de calçada, ou mudar de reunião social, e quando ainda age assim, é porque aquela raiva de supostos inimigos ainda está instalada no seu coração.

Enquanto não rompermos os modelos e os moldes pré-estabelecidos pelas influências sociais, não seremos receptivos ao inédito, pois só a partir do entendimento que ninguém é perfeito, é que passamos a adotar o poder de renunciar velhos conceitos e a manifestarmos de forma decisiva para sairmos da estreita fronteira onde somos aprisionados, desnudado, descalços e sem marcas, passamos a entender que somos seres sociáveis e que ninguém é feliz sozinho.

O ser humano demora muito para descobrir que existem muitos caminhos além das aparências visíveis, e depois de muitos dias vazios ou cheios ações descartáveis, aprenderá a viver verdadeiramente na humildade e entenderá as pessoas como elas são, e que não temos o poder de reconfigurar as pessoas conforme ao nosso entendimento, se você não aceita o defeito dos outros, naturalmente as outras pessoas não são obrigadas a aceitar os seus, e para não participar de uma guerra, é necessário ficar longe dela.

Não estamos preparados para entender que o mal que vemos outros, muitas vezes está em nós mesmos, e é por isso, que ao vermos uma pessoa pela primeira vez, e logo, passamos a dizer: “meu sangue não dá com aquela pessoa”.

É importante saber que os combates da vida são internos, o importante é adotar uma vida composta por atos de humildade e saber desfrutar as bênçãos que recebemos por estar vivos e ao chegarmos ao fim do dia, poder estar com o coração aberto para sentir a alegria das boas ações e valorizar mais um dia de vida.

Há momentos na vida que tudo perde o seu significado, e se isso ainda está a acontecer, é porque ainda não está preparado para entender que os milagres são internos, e se ainda não fez uma faxina mental , é porque, talvez ainda não conheceu o poder do perdão.

(*) Wilson Carlos Fuáh – é especialista em Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas – [email protected]

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here