Repita

113

 

(*) Francisco Assis

Vejo plantas perecendo no vaso
Saliva secando em seus lábios
Beijos perdendo o prazo.
Alarde durante o toque
Desejo de ser possuída
Arraste-me feito reboque.
Amasse como um esboço errado
Depois jogue onde possa ver
Recrie esse seu jeito safado
Serei sua água quando beber.
Prenda-me quando possuir
Chupe meu suor ele é vida
Fazendo-me gemer sorrir
Repita, sou atrevida.

(*) Francisco Assis Silva é poeta e militar
-email: [email protected]

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here