Tereza Cristina destaca que as queimadas ocorrem todos os anos na Amazônia. “Acho que eles precisavam saber primeiro do Brasil o que está acontecendo, antes de tomar qualquer tipo de medida” – Foto: Antonio Araujo/MAPA

 

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) disse ontem (23) que não vê razões para eventuais barreiras ao agronegócio brasileiro em razão das queimadas na Amazônia. Tereza Cristina ressaltou que, todos os anos, há queimadas na região amazônica no período da seca, assim como em outras regiões do mundo, como na Europa e nos Estados Unidos. Para a ministra, os países precisam se informar sobre a situação antes de tomar qualquer medida.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

 

“Estamos vivendo uma seca grande que todo ano a Região Norte do país tem uma definição clara dessa estiagem, fica, às vezes, seis meses sem chuva. Este ano, está mais seco e as queimadas estão maiores. Acho que eles precisavam saber primeiro do Brasil o que está acontecendo antes de tomar qualquer tipo de medida. Quando houve incêndios em Portugal, este ano teve incêndio na Sibéria, enfim, teve incêndio no mundo todo na época seca também da Europa, e o Brasil não foi lá questionar e nem pedir para não receber nada. O que a gente precisa é baixar essa temperatura. A Amazônia é importante e o Brasil sabe disso, o Brasil cuida da Amazônia”, afirmou, após firmar convênio com o Banco do Nordeste (BNB) para subsidiar políticas públicas e privadas de inovação voltadas para o desenvolvimento sustentável da agropecuária na Caatinga.

“Nós não podemos dizer que por neste momento termos um incêndio acontecendo, ou uma queimada acontecendo na Amazônia que o agronegócio brasileiro é o grande destruidor e, portanto, vamos fazer barreiras comerciais contra esse agronegócio”, acrescentou.

Ela destacou que a preservação ambiental é uma preocupação do país e dos produtores rurais. “Existe hoje uma preocupação do mundo com o meio ambiente e o Brasil não está fora dessa preocupação. Os produtores rurais também têm essa preocupação, porque eles são os maiores prejudicados, principalmente aqueles que usam tecnologia. Acho que está na hora de a gente fazer o papel de bombeiro aqui e não colocar mais notícias alarmantes do que querem imputar ao nosso país e aos produtores brasileiros”, destacou.

 

Para a ministra, é preciso diferenciar queimadas e incêndios (criminosos) e punir os culpados. “Temos que educar. Existem queimadas que, às vezes, são ilegais, feitas por grileiros, não podemos misturar todo mundo. E tem também uma parte ideológica que eu acho que a gente precisa separar, e nós brasileiros temos obrigação de defender o Brasil. Estão erradas as queimadas? Vamos para a ação. Vamos ver quem está queimando, vamos punir quem precisa ser punido, quem está fazendo errado”.

 

1 COMENTÁRIO

  1. NA VERDADE EXISTEM FORTES PRESSÕES, DE INTERESSES INTERNACIONAIS, CONTRA A NOSSA AGRICULTURA E PECUÁRIA, POIS TEM GENTE QUE DESTILA INVEJA E INTERESSES COMERCIAIS E JOGAM NA MÍDIA TODA ESSA CELEUMA DE QUEIMADAS QUE, NA REALIDADE TODOS OS ANOS ACONTECE NO PERÍODO DA SECA. ACREDITO QUE ESTÁ FALTANDO RIGOROSA FISCALIZAÇÃO COM RESPEITO AO DESMATAMENTO, ONDE ALGUNS INESCRUPULOSOS QUEREM TIRAR VANTAGEM COM A DESGRAÇA DOS OUTROS. QUANTO AO PRESIDENTE DA FRANÇA O SUJEITO É UM TREMENDO CARA DE PAU TENTANDO SE PROMOVER PARA A PRÓXIMA ELEIÇÃO. GENTE ASSIM O BRASIL TEM OBRIGAÇÃO DE MANDAR CALAR A BOCA. QUEM É ELE E OUTROS IDIOTAS QUE ESTÃO PONDO MAIS LENHA NA FOGUEIRA. QUE CUIDEM DE SEUS PAÍSES, POIS DIVERSOS DELES TEM ENORMES INCÊNDIOS DEVIDO AO INTENSO CALOR PELO MUNDO NESSE PERÍODO DO ANO. É PRECISO BAIXAR A TEMPERATURA E ANIMAR OS ÂNIMOS, POIS O BRASIL DEIXOU DE SER COLÔNIA DOS EUROPEUS FAZ ALGUM TEMPO. OS ESTRAGOS FORAM ENORME, NÃO SÓ PARA O BRASIL, MAS PARA TODA A AMÉRICA LATINA. COM A ÁFRICA FIZERAM A MESMA COISA E OS REFLEXOS NEGATIVOS SÃO SENTIDOS ATÉ HOJE.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here