Além do Município, outras 198 cidades e órgãos estaduais também estão sendo fiscalizados – Arquivo

 

O Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE/MT) iniciou um processo de varredura na folha de pagamentos de ativos, inativos e pensionistas da Prefeitura de Rondonópolis, outras 19 cidades de Mato Grosso e também órgãos estaduais. O procedimento de fiscalização visa detectar supostas irregularidades a exemplo de pagamento de benefícios, aposentadorias e pensões em desconformidade com a legislação vigente e acumulações indevidas de cargos públicos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

O TCE, por meio de cruzamento de dados, identificou entre 165.811 beneficiados, 5.023 casos preliminarmente apontados como possíveis de conter irregularidades. Contudo, não informou individualmente, para cada órgão ou Prefeitura fiscalizada, a quantidade de possíveis irregularidades. Com isso, não é possível ainda saber quantos casos são investigados no Município de Rondonópolis.

Se comparado o número total de beneficiados em todo o estado o total de casos investigados, conclui-se que para cada grupo de 33 beneficiados, um pode estar recebendo irregularmente pagamento ou benefício. Segundo o TCE, todas as folhas de pagamento que estão sob verificação já passaram por um cruzamento eletrônico de dados, realizado por meio do módulo Indícios do Sistema e-Pessoal, criado pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Além da Prefeitura de Rondonópolis e dos órgãos públicos estaduais, fazem parte da apuração as Prefeituras e seus órgãos municipais de Alta Floresta, Alto Araguaia, Barra do Bugres, Barra do Garças, Cáceres, Colíder, Cuiabá, Diamantino, Juara, Lucas do Rio Verde, Luciara, Nova Mutum, Nova Xavantina, Pontes e Lacerda, Primavera do Leste, Sinop, Sorriso, Tangará da Serra e Várzea Grande.

 

A fiscalização apura possíveis irregularidades nos casos de pensionista falecido recebendo pensão; auxílio moradia para aposentado ou falecido; servidor ativo com mais de 75 anos; servidor falecido recebendo remuneração; servidor cedido recebendo acima do teto; filha maior solteira em união estável; pensão civil vedada a filho maior de 21 anos; aposentadoria por invalidez acumulada com pensão por invalidez; auxílio creche recebido em mais de uma fonte pagadora; auxílio-alimentação recebido em mais de uma fonte pagadora; auxílio invalidez para militar que não é inválido; aposentadoria por invalidez a servidor com outro emprego; jornadas incompatíveis; não incidência do teto sobre uma ou mais rubricas; acumulação irregular de cargos; e regime de dedicação exclusiva desrespeitado.

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Tem que pegar pro lado de aposentados que ficam só retratando e sacaneando servidor e recebendo salário abusivo.Camarada que já passou da hora dele aposentar e fica sugando os companheiros.Como é que vai chamar as pessoas que passam em concurso?Chega junto tribunal…vamos passar a limpo o Brasil….

  2. PARECE QUE O BICHO VAI PEGAR PRA VALER. JÁ PASSA DA HORA PARA ACABAR COM OS ABUSOS COM O DINHEIRO DO CONTRIBUINTE. Talvez haja algum dinheiro para aplicar na saúde, principalmente na aquisição de medicamentos para a população que procura as farmácias do município.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui