Competências socioemocionais: grande diferencial competitivo no mercado de trabalho

253

(*) Angela Lima

Que o mercado de trabalho está cada vez mais dinâmico e competitivo não é novidade. Na era digital, com o conhecimento na palma da mão por meio de smartphones e notebooks, graduação e pós-graduação, domínio de dois ou três idiomas e cursos específicos já não são suficientes para garantir a tão sonhada vaga de emprego. Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em março deste ano, mostra que a taxa de desemprego atingiu 13,1 milhões de brasileiros.

Uma alternativa para tentar se manter longe dessa realidade é aprimorar o desenvolvimento das competências socioemocionais ou “soft skills”. A expressão em inglês significa habilidades interpessoais que, de acordo com os especialistas na área, têm grande potencial para ser o destaque competitivo. É a forma como as pessoas se comportam consigo, com os outros, com o mundo e com a empresa. Destaco cinco competências socioemocionais para todos que buscam viabilizar a empregabilidade no mundo atual:

Resiliência – É a capacidade de se recuperar rapidamente de situações de estresse ou outras ocorrências que possam interferir no equilíbrio emocional. No ambiente organizacional, com líderes e colaboradores cada vez mais cobrados, a capacidade de trabalhar com empatia e sociabilidade em ambientes negativos vem sendo cada vez mais valorizada.

Inconformismo construtivo – Trata-se de Identificar oportunidades e atuar proativamente na resolução de problemas. O dinamismo do mundo coorporativo exige mudanças sociais e principalmente tecnológicas. Cabe ao profissional gerenciar suas habilidades e emoções para se adaptar aos novos contextos.

Saber se relacionar – É fundamental saber trabalhar em conjunto, lidar bem com as regras, conseguir se comunicar e saber lidar com possíveis conflitos.

Aprendizado contínuo – Nada substitui a leitura e a busca pelo conhecimento. Esse hábito ajuda a ampliar o vocabulário, aumenta a capacidade de argumentação e cria novas conexões cerebrais de forma mais intensa. Além disso, esteja sempre aberto a novos aprendizados.

Cooperação – Embora nosso ambiente social seja competitivo, é fundamental conhecer o valor da cooperação entre os colegas de trabalho. Quando as pessoas cooperam, o ambiente se torna mais amistoso, produtivo e proporciona maior qualidade de vida. Somam com o trabalho em equipe.

As competências socioemocionais são cada vez mais valorizadas no mercado de trabalho, exatamente por não serem algo que se aprende simplesmente em sala de aula. Ao dominar tais competências, o profissional amplia suas chances de se dar bem no mercado de trabalho, pois lidará melhor com situações difíceis e conseguirá avaliar seu interesse e satisfação no desenvolvimento da atividade.

É importante estar atento ao autoconhecimento para mapear os pontos fortes e os pontos necessários para completar o perfil profissional. Vivências extracurriculares permitem desenvolver essas habilidades comportamentais, entre elas, aulas de teatro, trabalhos voluntários, congressos em suas áreas de atuação, experiências culturais e cultura digital. É preciso ter propósito, com foco e persistência, para construir a trajetória profissional desejada.

(*)Angela Lima Bittencourt é docente do curso de Psicologia da Unic Rondonópolis, com mais de 12 anos de experiência na área de Gestão de Pessoas

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here