Professores decretam greve em Mato Grosso

Paralisação, segundo a categoria, tem início na próxima segunda-feira

2282
A Assembleia em que os profissionais da Educação decidiram pela greve por tempo indeterminado aconteceu ontem, em Cuiabá – Foto Divulgação

 

Os professores da rede estadual de ensino entrarão em greve, por tempo indeterminado, a partir da próxima segunda-feira (27). A decisão de parar as atividades foi tomada por unanimidade em assembleia geral da categoria convocada pelo Sindicado dos Trabalhadores no Ensino Público (Sintep), que aconteceu na Escola Presidente Médici, na tarde de ontem (20), em Cuiabá.

De acordo com o Sintep, a decretação da greve por tempo indeterminado se deve ao descaso com o que o Governo do Estado tem tratado a questão da Revisão Geral Anual (RGA), ao escalonamento salarial e ao descumprimento da Lei da Dobra do Poder de Compra, aprovada em 2013.

Para o sindicato, o Governo demonstrou total falta de interesse em debater as pautas com a categoria e disse considerar que o Executivo agiu com “falta de respeito com os profissionais da educação”.

Os professores exigem o cumprimento da Lei da Dobra do Poder de Compra, como ficou conhecida a Lei 510/2013, que visa equiparar os vencimentos dos professores às demais carreiras do Executivo estadual do mesmo nível, além de cobrar melhores condições de trabalho, de infraestrutura das escolas e equipamentos pedagógicos, assim como a convocação dos profissionais aprovados no concurso público de 2017 e o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA).

 

 

De acordo com dados do Sintep, quase 50% dos trabalhadores da Educação no Estado são temporários, enquanto um grande número de concursados aprovados esperam pela sua convocação para trabalhar.

Em Rondonópolis, os profissionais da Educação se reunirão em assembleia na próxima quinta-feira (23) para tratar de um calendário de mobilizações.

Apesar de já ter decretado a greve, tendo obedecido todos os procedimentos e prazos estabelecidos por lei, a diretoria do Sintep já avisou que está aberta à negociação e caso o governador Mauro Mendes (DEM) venha a apresentar uma proposta concreta que contemple a pauta de reivindicações dos trabalhadores, a greve ainda poderá até ser evitada. Ao todo, professores de 105 municípios do estado entrarão em greve.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here