Segundo reclamação, há um trabalho feito na área pela Prefeitura, mas ele tem sido quase infrutífero, pois a situação permanece – Foto: Arquivo

 

Moradores e comerciantes de algumas regiões da cidade estão preocupados com o retorno de um grande número de pessoas morando nas ruas e causando transtornos para a população. O número teve uma grande diminuição em meses anteriores, mas voltou a ser significativo nas últimas semanas e tem causado transtornos, já que se abrigam em frente a comércios e moradias, onde fazem inclusive suas necessidades fisiológicas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Whatsapp: (66) 98124.0013


 

A situação está bastante crítica em certos pontos da cidade, como na Avenida Bandeirantes, no trecho compreendido entre a Praça da Saudade e a antiga Rodoviária, onde em alguns pontos eles se aglomeram para consumir bebidas alcoólicas e drogas, o que leva insegurança para quem mora e transita por esses lugares.

“Há um trabalho feito pela Prefeitura, mas ele tem sido quase infrutífero, pois a situação permanece. Houve um período em que quase não víamos moradores de rua por aqui, mas recentemente vimos que eles voltaram com tudo. Tem que ter uma política melhor definida. E há muitas dúvidas, não sabemos o que fazer quando encontramos uma pessoa morando em frente da nossa casa ou comércio”, contou um comerciante, que não quis ser identificado peal reportagem.

Segundo apurado pelo A TRIBUNA, nesse caso, as pessoas devem procurar pelo Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua, o Centro Pop, que conta com uma equipe de profissionais que incluem psicólogos e assistentes sociais, entre outros, contando inclusive com um veículo próprio para trabalhar com esse público.

 

Os moradores de rua são convidados para irem até o Centro Pop, onde podem tomar um banho, receber um kit de higiene e serem encaminhados para um albergue ou abrigos, como a Casa Esperança, com quem o centro mantém um convênio. Esses moradores de rua ainda têm a possibilidade de receber assistência para triagem documentos pessoais ou fazerem um tratamento médico, entre outros benefícios, mas os profissionais esbarram na falta de interesse da maioria dos moradores de rua de saírem da situação, o que inviabiliza que essas pessoas sejam retiradas das vias públicas.

Ainda assim, o Centro Pop orienta a população em geral para que, em caso de flagrar um morador de rua dormindo na sua calçada ou varanda, que entre em contato com o mesmo pelo telefone (66) 3422-0961, que uma equipe de profissionais irá até o local prestar atendimento para essa pessoa e lhe oferecer a possibilidade de ir dormir em um albergue ou abrigo destinado para esse público.

NÚMEROS

De acordo com dados fornecidos pela prefeitura de Rondonópolis, o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua, ou Centro Pop, atende cerca de 100 pessoas em situação de rua por mês, que recebem atendimento tanto no local quanto nas ruas. Números da Secretaria de Promoção e Assistência Social dão conta de que nos primeiros três meses do ano foram atendidas 299 pessoas classificadas nessa situação, sendo que dessas, a maioria era migrante, ou andarilho, como é mais conhecida a pessoa que não tem moradia fixa e fica perambulando de cidade em cidade.
Ainda de acordo com informações da Prefeitura, um pente fino vem sendo feito entre os moradores de rua para identificar as pessoas que têm condições de voltar para a cidade de onde veio, que recebem passagens para que possam retornar para seus locais de origem, como forma de diminuir o número dessas pessoas na cidade.

 

 

1 COMENTÁRIO

  1. Levar os moradores de rua até o centro pop pra tomarem banho, trocar de roupa e depois voltar pra rua não resolve. É preciso uma ação mais efetiva

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui