A entrevista com a Felicidade – Parte Finalmente

(*) Suziene Cavalcante

6

Fui à década de 60, atrás de um ilustríssimo: – Ó Elvis Presley, a felicidade mora contigo?- Interroguei o talentosíssimo.

– Não conheço este substantivo – Respondeu -me com seus olhos reflexivos!

Mas, por quê a felicidade não morava em sua mansão?…

Ó rei do Rock, responda-me com sua voz linda e forte!!!…Por quê a felicidade não morou nos seus bilhões de dólares??!!…Tampouco nos aplausos da multidão!?…Ó Elvis Presley, a sua Arte foi tão célebre!…Por que, no chão do seu banheiro, caíste inerte?!!…Por que autoflagelaste em suas intempéries?!…Por que deixaste seu talentoso coração sucumbir-se em prazeres tão vãos?!!…E por quê, ó Michael Jackson…A felicidade não morou nos seus sucessos…Por que chorava o seu coração?!!… Whitney Houston…Amy Winehouse… por que vos flagelastes com as próprias mãos?!! É que vossos espíritos tinham sede do Deus vivo, vossas almas tinham fome do Altíssimo… O Único que é digno de toda Adoração!!!

E na música “ Rehab” composta pela própria Amy Winehouse, ela fizera uma triste confissão: “Minhas lágrimas estão a secar “ – Ela confessou o seu longo chorar…A canção que fez o mundo dançar… Que traduzida significa “Reabilitação”.

Fui no “Questionário da Felicidade de Oxford”…E perscrutei seu insigne endereço forte…Onde estaria genuinamente a Felicidade?!!… Pelo caminho, me falou Zoroastro…Que ser feliz é lutar contra o mal e seus laços…Já Lao Tsé disse que na natureza era sua localidade. Confúcio falou que era na sabedoria, no bairro da cortesia a casa da Felicidade. Mas, Sidarta Gautama indicou outra recâmara:
– É pelo Caminho Óctuplo que se encontra a Felicidade – Ele disse com autenticidade.

Já Mahavira me sugeriu o caminho do Jainismo…Epicuro também indicou o caminho do equilíbrio… Pirro de Élis apontou o trajeto mais tranquilo. Fui também na casa de Maomé!… Passeei pelo recôndito de Rosseau, e pelo Positivismo de Comte que ressoou…Deixei em muitas estradas as pegadas dos meus pés!…

Encontrei uma científica celebridade…. Era o pai da psicanálise.

– Onde mora a senhora Felicidade? – Perguntei -lhe com semblante aflito.

– A Felicidade é algo parcial….Não podemos senti -la em tempo integral – Freud falou convicto.

Continuei andando por toda a terra…Vi legislativos que não legislam…Vi governos que não governam…Vi presidencialismos que não presidem…e impérios que não imperam…Vi Executivos que não executam, vi líderes que não lideram…A felicidade também não estava ali… Parecia fugir…

Ela seria uma quimera?!

São infelizes os que não amam, mas querem ser amados…. Os que não aprenderam a respeitar, mas exigem ser respeitados!…A resiliência e resignação, terem, quem dera!!!…Desejam ser perdoados, porém não querem perdoar….Aspiram ser felizes, contudo nunca foram partícipes em fazer alguém feliz se tornar!… São invernos, mas querem a primavera!!!…Querem ser enaltecidos, todavia não consolam os aflitos, são “grandes”, mas não ajudam os pequeninos…Não vão à peleja, mas almejam o troféu da guerra!…

Por fim, cheguei em Jerusalém… Disseram-me que a Felicidade ali entraria, com triunfalidade, eu queria vê -la também!…Será que ELE entraria em uma carruagem naquela cidade? Será mesmo que ELE vem?… E montado em um jumentinho… Um moço maravilhoso e felicíssimo, entrou em Jerusalém!… A multidão gritava: – Hosanas! – E ELE triunfava…Era a Felicidade que eu procurava também!… Rompi com a multidão, acenei -Lhe, e ELE me olhou com compaixão…Percebi que ELE me procurava também!…. Vi o senhor Holofotes tentar encantar aquele Deus Forte, mas nem a própria morte pôde vencê -lo também! Vi a Dona Fama… a Riqueza e a arrogância…. pedirem-Lhe autógrafo na terra santa… ELE só escreveu na areia plana, e salvou a mulher das pedradas de aquém!… Dos Holofotes ELE fugia tanto… Entretanto, eu precisava tanto entrevistá-LO em Jerusalém… ELE era simples demais… Muito educado aquele Rapaz! Vi que era o Príncipe da Paz…

Eu via que ELE queria me fazer feliz também!…Pediu que eu fosse ao Calvário, e lá eu poderia entrevistá-LO… Aí, eu entendi muito bem! Lá da cruz, ELE me olhou… Estava feliz, apesar da dor… Observei o quanto ELE me amou…E pediu ao Pai que me perdoasse também!…Ali estava o endereço da Felicidade… Ele era o Caminho, a Vida e a Verdade…O Pai da eternidade me respondeu além!… Felizes os que o seu “eu” tem crucificado… Felizes os que choram, porque serão consolados…Felizes os que tem sede de justiça, pois serão fartos…Felizes os pacificadores, pois o Reino vos será dado. Assim, fui muito feliz em entrevistá -LO. O endereço da Felicidade era o Filho de Deus, O ressuscitado. Amém!

(*) Suziene Cavalcante é Cantora, Escritora, Poeta, Compositora, Teóloga, Palestrante, Bacharelada em Direito, Coordenadora do Projeto Arte Jurídica em Rondonópolis

4 COMENTÁRIOS

  1. A Entrevista com a Felicidade! A poesia mais linda que eu já li na minha vida! Suziene Cavalcante você é fenômeno na literatura mato-grossense. Parabéns.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here