Papo Político

7
Valdir Correia: “É tido como o pré-candidato a deputado estadual que ficará com a herança eleitoral do prefeito Zé do Pátio…”

1 – SENHORAS E SENHORES,
ao longo das últimas semanas falamos muito sobre a espera da classe política estadual sobre o posicionamento do ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (DEM), em anunciar se vai ou não sair candidato a governador de Mato Grosso nas eleições deste ano. O ex-prefeito declarou aos correligionários do DEM que dará seu veredito final no dia 20 deste mês. Mas enquanto ele não se define, agora o ex-prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PDT) confirmou esta semana que será candidato ao Governo do Estado caso Mauro Mendes não consolide sua pré-candidatura. O grupo político de ambos aguarda a resposta de Mauro, considerado nome de consenso para a disputa. Mas neste mesmo grupo, aliados tem pressa e já tratam Pivetta como o “plano B” para a disputa estadual, mas parecem que se esqueceram que Pivetta não apareceu bem nas avaliações internas do grupo. Este “plano B” teria surgido a partir de sinais que estão evidenciando que Mauro Mendes ficará mesmo na vida privada, diante das dificuldades que enfrenta em suas empresas. Aliás, essa mesma indefinição de Mauro Mendes aconteceu em 2013, quando desistiu em cima da hora de disputar a sua reeleição para prefeito de Cuiabá, o que deixou os seus companheiros perdidos no processo eleitoral e o que acabou resultando na eleição de Emanoel Pinheiro. E isso é o que poderá voltar a ocorrer na campanha prestes a começar, deixando o DEM meio desarticulado, justamente por contar com a candidatura de Mauro Mendes, que se filiou ao partido em cima do prazo de filiações para ser o seu candidato a governador, formando a dobradinha majoritária da chapa com Jaime Campos para senador.

2- NESTA SEMANA
o que gerou bastante discussão foi a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma denúncia por corrupção ativa contra o ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP). De acordo com a PGR, em 2009, Maggi, então governador do Mato Grosso, participou de um suposto esquema de compra e venda de cadeiras no Tribunal de Contas do Estado. Caberá ao STF decidir se abre um processo e torna Maggi réu nesse caso. Sobre o assunto, a assessoria do ministro se posicionou com duras críticas em relação à nova denúncia. “O ministro Blairo Maggi deixa claro que causa profunda estranheza e indignação a denúncia oferecida pela Procuradoria Geral da República, uma vez que o mesmo fato já foi objeto de investigação em 2014 e arquivado a pedido da própria PGR”. Agora nesta nova denúncia, o Colunista levanta a hipótese de ser mera acusação política, já que neste ano eleitoral todos sabem que apesar de não participar na disputa, Maggi vem agindo nos bastidores e com pretensão de apoiar a pré-candidatura a governo do senador Wellington Fagundes (PR), o qual faz oposição ao governador Pedro Taques (PSDB). Esta nova denúncia não seria mesmo mais um artefato político para intimidar Blairo das articulações políticas de oposição ao atual governo?.
Naturalmente, Blairo Maggi deverá apoiar a pré-candidatura ao Senado do deputado federal Adilton Sachetti (PRB), o qual poderá sair na chapa de Mauro Mendes, que não se definiu ainda. Mas ao que tudo indica, caso Mendes recue do projeto, Blairo deverá mesmo apoiar Fagundes, diante aos seus discursos de rasgar seda para Wellington em vários eventos públicos. Numa destas, até Adilton teceu muitos elogios ao senador Wellington durante o seminário da UFR ocorrido em Rondonópolis. Analisando tudo isso, não está descartado todos eles no mesmo barco nas próximas eleições: Wellington, Blairo e Adilton, além do ex-vice governador Carlos Fávaro.

3 – O PREFEITO ZÉ DO PÁTIO,
atual presidente estadual do Partido Solidariedade (SD), quer um dos quatro vereadores da sigla na Câmara Municipal como pré-candidato a deputado estadual nas eleições de outubro deste ano. Anteriormente a sigla teria como pré-candidato a deputado estadual o presidente local do SD, Valdir Correia. Mas foi avaliado que somente uma pré-candidatura não conseguiria aglutinar o espólio de votos que o prefeito Zé Carlos do Pátio teve ao longo de suas candidaturas a deputado estadual na cidade e região. Nas eleições de 2014, Zé do Pátio teve quase 15 mil votos, se elegendo deputado estadual. Em eleições anteriores teve até 20 mil votos somente em Rondonópolis. Agora a pergunta que se faz é se realmente estes votos serão transferidos aos outros candidatos. Tem quem acredita em transferências de votos e também quem não acredita. Mas no SD é unânime que o pré-candidato estadual de Pátio é Valdir Correia, mas para conseguir herdar toda a herança eleitoral terá que gastar muita sola de sapato, e outros apetrechos mais, pelos bairros de Rondonópolis e municípios vizinhos. Um outro nome do SD para conseguir emplacar seu projeto é do pastor Erlan Pereira da Silva, o qual já até anunciou no A TRIBUNA a sua pré-candidatura a deputado estadual pelo Solidariedade nas eleições de outubro deste ano. Mas ao que tudo indica, ele poderá ficar de escanteio caso os vereadores realmente emplaquem um nome entre eles como pré-candidato a deputado estadual.

4 – COMO
já falamos aqui na Coluna, a juíza aposentada Selma Arruda, que é pré-candidata ao Senado Federal, teria anunciado que uma de suas estratégias será não utilizar dinheiro do próprio bolso para financiar sua campanha. E para ganhar mais notoriedade, a juíza aposentada parece que já arregaçou as mangas para fazer política sem gastos. Na sexta-feira (04.05), Selma Arruda foi uma das palestrantes convidadas do 1º Seminário de Direito e Processo Penal realizado por uma faculdade em Cuiabá. Este seminário faz parte do circuito de palestras ministradas por ela em todo o Estado. O evento contou com a participação de acadêmicos de Direito das universidades e a abordagem foi principalmente o tema corrupção. Sem dúvida que, no fundo, ela vem pregando a sua bandeira de campanha com vistas ao Senado.

5 – O SENADOR JOSÉ
Medeiros (Pode), que estava meio ao léo para formar coligação para disputar as eleições deste ano, agora achou uma via para emplacar o seu projeto. Nesta semana em Cuiabá, representantes do Podemos, PMN, Pros, PRP, Avante e Democracia Cristã, firmaram a primeira coligação proporcional para as eleições de outubro. A frente partidária decidiu lançar chapas conjuntas para Câmara dos Deputados e Assembleia Legislativa e deve apoiar o projeto de reeleição de José Medeiros ao Senado. Embora o acordo indica apoio à reeleição de Medeiros, outro nome pode ser do vereador cuiabano Juca do Guaraná Filho, que a princípio almeja disputar a Assembleia ou Câmara Federal, mas está sendo encorajado pela direção nacional do Avante a concorrer a senador. Falta ainda definir quem o grupo apoiaria para o Governo do Estado. O panorama atual do Medeiros é: oposição a Pedro Taques e apoiar Wellington Fagundes.

2 COMENTÁRIOS

  1. Quem é o cidadão VALDIR CORREIA, por acaso é aquele do MST, este não cuida nem de seu lote no assentamento do INCRA, isto é uma VERGONHA.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here