Bloqueios de rodovia em atos pró-Lula não estão descartados

BR-163/364 ficou fechada por pouco mais de uma hora na manhã de ontem (6) em Jaciara – Foto: Redes Sociais

Entre os manifestos que foram realizados no dia de ontem (6) em algumas cidades do País, contra a prisão do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, um protesto foi realizado em Jaciara, na BR-163/364, por integrantes de movimentos sociais ligados a luta pela terra, entre eles o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Em conversas informais com as lideranças, a informação é de que não estão descartados novos protestos com bloqueios de rodovias na região, já que existe uma tendência nacional por parte dos movimentos para a realização de manifestos.

O bloqueio da rodovia federal, entre São Pedro da Cipa e Jaciara, teve início por volta das 8h e durou pouco mais de uma hora. Com o uso de pneus, os manifestantes fecharam os dois sentidos da pista, o que acabou provocando um congestionamento de 13 km. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), que acompanhou o movimento, apesar da interdição da rodovia, o protesto aconteceu de forma tranquila, sem problemas registrados entre os que se manifestavam e os que trafegavam pela via.

Após a liberação, o grupo, que tinha aproximadamente 300 pessoas, permaneceu por algum tempo as margens da rodovia e acabou se dissipando. Por volta das 10 horas, já não havia mais ninguém no local. A equipe da concessionária que administra a rodovia recolheu objetos que ficaram na região e o trânsito, aos poucos, foi voltando ao normal.

O grupo informou que a manifestação se deve ao fato da prisão do ex-presidente ser política, e não pelos crimes de que é acusado. Em Mato Grosso, segundo a PRF, o único trecho de rodovia federal que registrou bloqueio foi o de Jaciara. Em outras estradas e rodovias do Estado, nenhuma manifestação nesse sentido foi identificada.

No estado, houve protesto por parte de simpatizantes do ex-presidente em Cuiabá, na Praça Alencastro, e, em Rondonópolis, uma vigília realizada por sindicalistas e integrantes de movimentos sociais na sede de um Sindicato.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui