Laci Araujo

A Romaria dos Mártires é uma procissão realizada anualmente em memória de mulheres e de homens que doaram suas vidas em defesa da vida de outras pessoas. É uma procissão profética, pois tem como propósito denunciar injustiças sociais e reanimar o povo de Deus em sua caminhada. A Romaria foi sendo construída simbolicamente dentro do sistema de significações do imaginário tradicional da religiosidade popular, como expressão da fé e da luta de um povo que acredita que “irá chegar um novo dia/ um novo céu, uma nova terra e um novo mar/ e nesse dia, os oprimidos/ numa só voz a liberdade irão cantar”.
A primeira Romaria dos Mártires no Brasil teve início em 1986, no auge da ditadura militar, e foi realizada no município de Ribeirão Cascalheira, em memória do padre João Bosco Burnier. O padre João Bosco foi martirizado em Ribeirão Bonito-MT no dia 11 de outubro de 1976, quando duas mulheres, Margarida e Santana, estavam sendo torturadas na cadeia. Era época da novena da padroeira Nossa Senhora Aparecida. Nesse dia haviam chegado ao povoado o Bispo D. Pedro Casaldáliga e o Padre João Bosco Burnier, jesuíta que trabalhava com os índios Bakairi. Os dois foram interceder pelas mulheres torturadas. Um soldado desfechou um soco e uma coronhada no rosto do Padre João Bosco e tirou a sua vida com um tiro fatal. Em memória do padre João Bosco começaram a ser organizadas as primeiras romarias na região de Ribeirão Cascalheira(MT). Como muitas outras vidas continuaram a ser ceifadas na luta por justiça social e pela terra começaram a ser organizadas as romarias também em outros municípios.
Em Rondonópolis, a primeira Romaria dos Mártires em Rondonópolis aconteceu em março de 1992 como decisão da Assembleia Diocesana de Pastoral, seguindo as diretrizes da CNBB, a opção preferencial pelos pobres e a necessidade de evangelizar “nas mais diversas situações existenciais do povo brasileiro”. Nessa perspectiva, a Romaria surgiu como manifestação de fé e como compromisso de continuidade da luta de tantas mulheres e homens que doaram suas vidas para salvar outras vidas. Como lembrava o bispo D. Osório Stoffel, na abertura da primeira romaria: “os mártires são testemunhos de fé e de doação” e por isso, “a Romaria é também uma homenagem que prestamos a Jesus Cristo, o verdadeiro mártir, que entregou a sua vida por nós”.
Na Romaria dos Mártires deste ano, além da memória de tantos mártires: Pe. João Bosco Burnier, Dom Oscar Romero, Pe. Rodolfo Lukenbein e Indio Simão Bororo, Pe. Sacilotti e João Fuchs, Pe. Ezequiel Ramin, Pe. Josimo, Chico Mendes, Dorcelina Folador, Irmão Vicente Cañas, Irmã Doroty Stang
que se entregaram pela causa do Reino, refletiremos também sobre o tema da Campanha da Fraternidade “Fraternidade e superação da Violência” e o Ano do Laicato. É um momento precioso para caminhar juntos, fortalecer a fé e a esperança na construção do Reino de Deus entre nós. A Romaria dos Mártires terá início às 15:30 horas, na Praça da Saudade e encerramento com a Santa Missa, às 18 horas, no Cais. Somos convocados/as, como “cristãos leigos e leigas, sujeitos eclesiais numa Igreja em saída”, a dar visibilidade à nossa fé. Venha caminhar conosco… Estaremos te esperando…

(*) Laci Maria Araújo Alves é professora aposentada e membra da Paróquia Bom Pastor

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui