O Aeroporto Municipal “João Batista de Figueiredo”, em Sinop, ficará sem nenhum voo para fora de Mato Grosso
O Aeroporto Municipal “João Batista de Figueiredo”, em Sinop, ficará sem nenhum voo para fora de Mato Grosso

Apontado como o 2º em movimentação de passageiros em Mato Grosso, o Aeroporto de Sinop, no norte do Estado, enfrenta um drama de estrutura por falta de instrumentos de navegação aérea bem parecido com o de Rondonópolis, aliás até pior. A sociedade sinopense ainda está correndo atrás de estruturas como a Estação Prestadora de Serviço de Telecomunicações e de Tráfego Aéreo (EPTA) e o Indicador de Precisão de Trajetória de Aproximação (PAPI), os quais Rondonópolis já dispõe. Para a operação por instrumentos, o Aeroporto de Rondonópolis está atuando na elaboração do Manual de Operações de Aeródromo (MOPS) e homologação do sistema de navegação aérea conhecido como RNAV.
Com as limitações estruturais do Aeroporto de Sinop, a Passaredo Linhas Aéreas deixou de operar a rota Sinop-Cuiabá desde o dia 6 de fevereiro deste ano. Depois disso, a empresa anunciou que deixará de atuar em Sinop, cancelando a linha remanescente Sinop-Brasília (DF), a partir do próximo dia 25 de março. O trecho será desativado e a ligação até Brasília tende a ser feita pela companhia a partir do Aeroporto de Sorriso, também no Norte do Estado, que, ao contrário de Rondonópolis e Sinop, está devidamente homologado a operar por instrumentos.
A notícia da saída da Passaredo causou uma grande preocupação na sociedade organizada de Sinop. Além disso, com a ausência de equipamentos para operação em condições climáticas desfavoráveis, têm sido constantes neste começo de ano os problemas com cancelamentos de voos, especialmente da Azul Linhas Aéreas, com aeronaves que não conseguiram pousar no Aeroporto Municipal de Sinop. Na semana passada, o voo da Azul que levaria a equipe do Fluminense de Sinop para Cuiabá foi cancelado devido ao mau tempo e os jogadores tiveram que se deslocar à capital de ônibus.
Além disso, a cidade de Sinop também precisa se preparar para a implantação do RNAV, um sistema de navegação que fornece aos pilotos coordenadas geográficas por meio do sistema GPS. No ano passado, o Aeroporto de Sinop, assim como Rondonópolis, também perdeu os voos da Azul, com o jato Embraer 195, para até 118 passageiros, com destino à cidade paulista de Campinas (SP). Assim como Rondonópolis, a Azul também continuou atuando na cidade de Sinop apenas com voos para a capital mato-grossense.

1 COMENTÁRIO

  1. Estamos em pleno século 21 e o “aeroporto” não opera voo por instrumento. É isso? Parece piada de mau gosto. Os atuais investimento aeroportuários propostos são ações básicas, básicas. Não podemos construir aeroportos para o hoje. O hoje, já é passado!Pior que a situação de Sinop é o Governo do Estado AINDA propor para outros municípios a construção de aeroporto regional com pistas menores que 1.650 x 30m e resistência do piso inferior a 33 toneladas e também sem voo instrumento GPS. Saudações,

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here