Foto: Ilustrativa
Foto: Ilustrativa

Fiscais da Vigilância Sanitária de Rondonópolis trabalharam em ritmo acelerado na tarde de ontem (26) para fazer a interdição de um lote da bebida láctea UHT sabor chocolate que é produzida pela empresa Itambé e tem o nome fantasia de Itambezinho Chocolate. A ação atende determinação da Secretaria de Saúde do Estado que investiga a suspeita de morte de uma criança após consumir o produto, na capital Cuiabá.
Janaina Castelhano Estolano – gerente da Divisão de Vigilância Sanitária do Município – conta que recebeu um memorando da Secretaria de Saúde de Mato Grosso, no começo da tarde, que relata o episódio da morte da criança e determina a interdição do produto até que o Laboratório Central de Cuiabá – Lacen conclua a análise da bebida láctea com 200 ml, data de fabricação de 25/05/2016 e validade até 21/11/2016, referente ao lote MA21:18.
A gestora informa que o documento da Pasta estadual esclarece que a criança começou a se sentir mal cerca de uma hora após consumir o alimento. Ela foi levada imediatamente ao hospital, mas não resistiu. Os pais dela também tomaram pequena quantidade do produto e a mãe passou mal.
Logo que recebeu o informe do governo estadual, Janaina e a equipe de fiscais fizeram uma ação concentrada de contatos telefônicos com lojas de supermercados, conveniências, lanchonetes e bares. A operação foi para fazer a interdição do produto que deve ser retirado da área de vendas até a conclusão da análise laboratorial. Caso o resultado seja negativo, a bebida pode voltar a ser comercializada normalmente.
Mas, se for confirmada a relação do produto com a morte da criança, então a venda do Itambezinho Chocolate deste lote fica proibida. Janaina conta que alguns telefones contatados não foram atendidos e pede o apoio da imprensa local para alertar aos comerciantes sobre a necessidade de retirar o produto da área de venda e aguardar o resultado da análise. “Essa medida é fundamental para proteger a saúde da população”, alerta.
ENTENDA O CASO
A Delegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica) de Cuiabá da Polícia Judiciária Civil, instaurou inquérito policial para apurar as causas da morte de uma criança de 2 anos, após ingerir uma bebida achocolatada, em Cuiabá.
A mãe da criança, D.C.S, 28, informou que seu filho R.C.S.S, 02 anos, tomou a bebida, por volta das 9 horas, na residência da família, no bairro Parque Cuiabá. Ela contou que o filho estava há dois dias resfriado, soltando coriza pelo nariz, mas sem febre.
Conforme a mãe, o menino pediu algo para comer e, então, deu uma caixinha do achocolatado. Minutos após ingerir o líquido, o menino teria apresentado falta de ar, ficando com o “corpo mole e com princípio de desmaio”. A criança foi levada para atendimento na Policlínica do Coxipó, onde por cerca de uma hora os médicos tentaram reanimá-la. A criança não resistiu e morreu no local.
A mãe relatou que bebeu um pouco do achocolatado e também passou mal, sentindo tonturas e náuseas, assim como o tio da criança, que chegou a ser encaminhado a uma unidade hospitalar.
A liberação do corpo foi realizada pela Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), junto ao Serviço de Verificação de Óbito, do Hospital Universitário Julio Müller, na capital.
PERÍCIA
Durante a investigação, a polícia apreendeu cinco caixas do achocolatado da marca Itambezinho, – três fechadas e duas abertas, uma vazia, que seria a ingerida pela vítima. A mãe declarou que ganhou as caixas de um vizinho. O material foi encaminhado para o Laboratório Forense da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), que irá realizar análises do produto e também exames com amostras colhidas da criança em exame de necropsia.
A Polícia Civil aguarda a conclusão do laudo, mas já iniciou os interrogatórios para apurar as circunstâncias do fato, sob coordenação do delegado titular da Deddica, Eduardo Botelho.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui