Gilson  Lustoza de Lira- ecritor rondonpolitano- 07-05-11

Sou alegre de um modo triste,
Sou o nada que ainda existe.
Sou a vida em morte,
Não mais que um fraco forte.

Sou o ódio depois do amor,
Sou alívio que vem da dor.
Sou o feio escondendo o belo,
Sou o segredo do que revelo.

Sou início caminhando pro fim,
Sou você saindo de mim,
Sou a frente em marcha ré.

Sou assim qual simples traste,
Que em meio a tanto contraste
Conclui que nada mais é.

(*) Gilson Lira, escritor, poeta e membro da Academia Rondonopolitana de Letras (soneto escrito em agosto de 2012)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui