“Pesquisadores australianos conduziram uma revisão para determinar se a perda de peso é capaz de melhorar sintomas da ansiedade”
“Pesquisadores australianos conduziram uma revisão para determinar se a perda de peso é capaz de melhorar sintomas da ansiedade”

Existem evidências que sugerem associação positiva entre obesidade e ansiedade, a qual se manifesta por meio de sintomas fisiológicos ou subjetivos, que podem incluir preocupação excessiva e medo perante diferentes situações ou atividades, fadiga, sudorese, distúrbios gastrointestinais e dificuldade de concentração. Em um novo estudo, publicado na edição de janeiro da revista Nutrition, pesquisadores australianos conduziram uma revisão para determinar se a perda de peso é capaz de melhorar estes sintomas. Além disso, investigaram se esta relação sofre influência da composição de macronutrientes da dieta e da magnitude da perda de peso.
Foi realizada extensa busca de artigos em bases de dados eletrônicas, sendo identificados sete estudos de intervenção para perda de peso que avaliaram os efeitos sobre a ansiedade como um desfecho secundário. Todos envolviam pacientes com excesso de peso que seguiram dietas hipocalóricas e praticaram atividade física. Três trabalhos relataram diminuição significativa da ansiedade (de 9,2 a 11,4%), após perda de peso variando entre 0,7 a 18,6 kg. Nos outros quatro estudos, não houve mudança na ansiedade antes e depois da intervenção.
Quanto à composição da dieta, um estudo verificou redução da ansiedade apenas no grupo que seguiu dieta com quantidade moderada de gordura (30 a 40% do valor calórico total – VCT da dieta), possivelmente porque a adesão a dietas com este perfil nutricional ocorre com maior facilidade. Por fim, a revisão indicou não existir um efeito de dose-resposta, ou seja, a diminuição da ansiedade não é maior conforme o aumento da perda de peso.
Sabe-se que pessoas obesas costumam ser estigmatizadas e podem apresentar baixa autoestima e sentimentos de rejeição e insegurança. Logo, o emagrecimento leva a melhora da autoconfiança, imagem corporal, motivação e qualidade de vida em geral. Estas melhorias no bem-estar emocional podem estar relacionadas à diminuição da ansiedade observada nos estudos. Além disso, o estímulo dos profissionais de saúde nos programas de intervenção, como nutricionistas e educadores físicos, também pode estar ligado ao resultado favorável.
Embora os achados não sejam absolutamente convincentes, pela limitação do número e do tamanho dos trabalhos, nenhum deles apontou efeito deletério da perda de peso sobre a ansiedade. Há, na verdade, indícios de um benefício modesto, que deverá ser confirmado em ensaios clínicos futuros analisando esta questão.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui