Papo Político

1

1-O EMARANHADO
de surgimentos, conceitos, fatos, articulações, debates, regras que definem o complexo vínculo entre a democracia e a política, nos permite dar credibilidade e valorizar as ações e realizações de alguns políticos; enquanto outros, que possuem um histórico questionável ou aquelas figuras políticas que nada fizeram durante um determinado tempo, eis que em tempos que antecedem encerramento de mandatos ou início de campanha eleitoral, iniciam uma grande demanda de realizações.
ENQUANTO
que a esfera nacional e estadual está passando por um momento de explicações e depoimentos, e o Partido da República já está se conformando com a crise anunciada e aqui no nosso município está em um processo lento de troca de presidência, o prefeito Zé Carlos do Pátio (PMDB) começou a trabalhar, sendo isso comprovado em uma rápida caminhada pelo município e uma boa conversa com a população dos bairros.
Um pouco alheio a todas essas movimentações políticas, sendo corruptas ou não, eleitoreiras ou não, Pátio já está inaugurando obras, e se o vereador Olimpio Alvis (PR) faturou politicamente em um evento religioso realizado aqui nesse final de semana, assim como a Coluna noticiou, o prefeito peemedebista também não deixou por menos.
Eis que se continuar agradando ao eleitorado, principalmente aos mais humildes, apesar de demora, atrasos e um início de mandato tumultuado, tendo em vista seu posicionamento com o secretariado municipal, provavelmente o presidente regional do PMDB, o deputado federal Carlos Bezerra, poderá analisar mais uma vez a possibilidade de defender um projeto de candidatura à reeleição do prefeito Zé do Pátio. E pode acontecer o que grande parte da população e do meio político vem prevendo, contando com a  memória curta do eleitorado, uma disputa acirrada para o Paço Municipal.

2- O DESCONTENTAMENTO
de Eliezer Moreira do PTB é justificável, sendo que ele não é a única figura política que está frustrada com o ritmo de desenvolvimento das articulações para as eleições municipais do ano que vem. O que seria natural, mesmo faltando um ano para o inicio da campanha para eleger prefeito e vereadores, são as conversações e reuniões para determinar previamente os postulantes e as futuras alianças. Mas, o que se vê, é uma alienação geral dos indivíduos políticos que estão muito tímidos nessa época para começar a debater os futuros concorrentes para cargos do legislativo e executivo.
A não ser alguns apontamentos para nomes para suceder o cargo do prefeito Zé Carlos do Pátio, alguma ou outra figura interessada em uma das cadeiras da Câmara Municipal, não se vê um empenho por parte das legendas para defender projetos eleitorais para o ano que vem.
Pois como a Coluna já havia afirmado, temos grandes lideranças e figuras com condições para concorrer aos cargos municipais, sendo oriundas de vários segmentos do nosso município, e se os partidos investirem em nomes que a própria população aventa com o sucesso nas urnas no ano que vem, a chance de êxito realmente é grande.
Os vereadores rondonopolitanos já estão alertas com a proximidade do fim do mandato e já estão apresentando suas realizações e somando muito mais apoio.
MAS SE EXISTE
alguma legenda que ainda não está recrutando filiados para discutir as eleições, o PR tem se empenhado para não deixar definhar o seu projeto eleitoral para a prefeitura de Rondonópolis, principalmente agora em época de crise. Pois, desde o anúncio do ex-prefeito Adilton Sachetti de não voltar a filiar-se ao PR e ainda de não ser postulante à prefeitura, o partido republicano tem estudado nomes para o lançamento, como os três deputados estaduais J. Barreto, Sebastião Rezende e Ninho, e ainda o vereador Ananias Filho, presidente da Câmara.
Desses nomes Ananias anda mais preocupado com o enfrentamento com o de Nininho, o qual vem fazendo uma campanha ativa e explícita há muito tempo, sendo que ele vem apresentando suas ações na Assembleia e ainda participado e atuando muito mais no nosso município, quando já tem uma grande parte do eleitorado que já anuncia ser favorável à essa candidatura. O deputado Sebastião Rezende, não é de hoje que ele mostra o interesse pela Prefeitura rondonopolitana, mas acredita-se que sua hora de ser comandante municipal ainda não chegou. E a tendência é de não termos Jota Barreto como um postulante, apesar de ser muito querido em Rondonópolis, ter um perfil capaz de usufruir um grande número de votos, ter deixado um mandato de realizações quando foi prefeito, mas o parlamentar republicano demonstra que prefere continuar atuando na Assembleia Legislativa, mas sem dúvida, seria um nome forte dentro do PR.

3- E COMO
em toda véspera de campanha eleitoral a Coluna é procurada para resgatar alguns nomes, e que poderiam voltar a ser destacados como prováveis postulantes e obterem a oportunidade de atuar pelo nosso município, alguns leitores têm questionado a presença da ex-vereadora e ex-deputada estadual Vilma Moreira (PSB), e se existe a possibilidade da socialista mais uma vez ser candidata a vereança.
E eis que sua ausência durante esse período foi para tratar de questões pessoais, e seu nome está a disposição da sigla, a qual não terá candidato próprio para a disputa da Prefeitura, quando analisará o quadro de postulantes ao cargo do executivo que está se desenhando.
Outra figura que foi questionada foi o apresentador e comunicador da TV Rondon Aguinello Corbelino, que havia sido cogitado a disputar o cargo de prefeito de Rondonópolis pelo PT, e depois não houve mais comentários em relação a isso.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here