noDisfunção erétil, obesidade, diabete, estresse e maior suscetibilidade para contrair doenças são alguns dos problemas que podem ser causados por distúrbios de sono. Na cidade de São Paulo, estima-se que um terço da população tenha algum problema para dormir adequadamente. Estudar os efeitos da privação de sono tem sido, desde 1995, o foco da pesquisa de Monica Andersen, professora do Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Ela coordena um trabalho de investigação dos efeitos da privação e restrição de sono na função reprodutiva de ratos machos, que conta com o apoio da Fapesp.

noPerda de peso a longo prazo

A perda de peso a longo prazo pode liberar poluentes industriais no sangue, ligados a doenças como diabete, hipertensão e artrite reumatoide, segundo disseram pesquisadores na última terça-feira. Esses compostos são normalmente armazenados no tecido adiposo, mas, quando a gordura é quebrada durante a perda de peso, eles entram no sangue, explicou a pesquisadora Duk-Hee Lee, da Universidade Nacional Kyungpook, em Daegu, na Coreia do Sul. “Estamos vivendo sob o forte estigma de que a perda de peso é sempre benéfica, enquanto o aumento é sempre prejudicial, mas acreditamos que o aumento dos níveis de poluentes no sangue devido à perda do peso pode afetar a saúde humana de várias formas”, escreveu a pesquisadora em e-mail à Reuters.

Deficiência de vitamina A

Uma pesquisa resultante de dissertação de mestrado da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), da USP, revela que, de cada três bebês, dois apresentam deficiência de vitamina A. Durante o estudo, a nutricionista Thalia Deminice avaliou 59 crianças de 3 meses no Centro Médico e Social Comunitário de Vila Lobato, em Ribeirão Preto, e 39 delas (66%) tinham falta da substância. O trabalho conquistou, em agosto, o primeiro lugar do prêmio Henri Nestlé de 2010, na categoria Nutrição em Saúde Pública. Também foram avaliadas as mães dos bebês, entre o 20º e o 30º dia pós-parto, e elas também apresentaram deficiência de vitamina A, mas em menor proporção. Foram analisados o sangue e o leite maternos e o bebê.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui