SEM SECRETÁRIO

[inspic=30685,right,fullscreen,200]O policial rodoviário federal Donizete Aparecido Alves de Souza (PSDB), apesar de ser apresentado como secretário de Trânsito, ainda não pode comandar a pasta. O motivo é que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) ainda não autorizou Souza a exercer a função. Ontem, o presidente municipal do PSDB, Luis Carlos da Silva, disse que no momento ele está trabalhando na secretaria como voluntário e quem responde pela pasta é o chefe de Departamento de Trânsito do Município, Pedro Machado Miranda.

NADA RESOLVIDO

[inspic=30674,right,fullscreen,200]O ex-prefeito de Poxoréu, Antônio Rodrigues da Silva, o Tonho do Menino Velho esteve ontem no Paço Municipal. Cotado para o cargo de chefe do escritório de representação do município em Brasília, Tonho foi enfático em dizer: “está tudo certo, porém nada resolvido”.

VISITA

[inspic=30676,right,fullscreen,100]O marqueteiro Carlos Rayel, responsável por conduzir a campanha do prefeito Zé Carlos do Pátio, também esteve nesta semana na prefeitura. Rayel veio para cumprimentar o prefeito.

PRESIDENTE DO TJ LAMENTA I

O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Paulo Inácio Dias Lessa, lamentou ontem a interpretação dada pelo procurador-geral da Justiça, Paulo Prado, classificando de “ enganados” e vítimas de “calote” do Tribunal de Justiça a situação vivenciada por parte dos aprovados no último concurso público do Poder Judiciário, que ainda não foram empossados em virtude de decisão judicial impedindo a rescisão de contratos de servidores temporários.

PRESIDENTE DO TJ LAMENTA II

Lembrou o desembargador Paulo Lessa que a condição de “enganados” atribuída aos concursados pressupõe premeditação, presume que tenha havido deliberada intenção do TJMT de realizar um concurso público para não dar posse. “Trata-se de uma interpretação equivocada, que infunde suspeita sobre a instituição e que não reflete a realidade dos fatos”, enfatizou o desembargador, lembrando que o TJMT começou a dar posse aos aprovados e foi impedido de prosseguir na integralidade em virtude de decisão judicial que está obrigado a cumprir.

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA I

[inspic=30675,right,fullscreen,200]A regularização fundiária da região amazônica já está com o seu modelo definido, segundo o ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger. A regularização será facilitada e acelerada para as posses com no máximo 1500 hectares. Já as posses superiores a 2.500 hectares ficarão sujeitas à retomada pelo Governo Federal. “A neblina da confusão fundiária vai levantar e os grandes usurpadores e aventureiros da Amazônia vão ficar expostos”, adiantou Unger. Mato Grosso foi o primeiro Estado a ter a reunião de trabalho sobre o Plano Amazônia Sustentável (PAS), encontro que aconteceu ontem, no gabinete do governador Blairo Maggi.

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA II

A questão fundiária é consenso entre Estado e União como a prioridade para a questão amazônica, sendo o principal ponto dos debates da reunião. Serão sugeridas mudanças que terão como primeiro fruto prático a decisão de enviar ao Congresso Nacional um projeto de lei que transfere as terras da União sob as quais estão erguidas muitas cidades irregulares na Amazônia para os municípios.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui