“Olhe para os dedos de sua mão. Eles são diferentes. Ainda bem. Exatamente por serem diferentes eles são harmoniosos quando vistos em conjunto. Já imaginou se eles fossem todos iguais?

Certamente teríamos dificuldade de fazer o que fazemos de maneira tão natural. A humanidade, pode-se dizer, é semelhante a uma mão. Somos diferentes numa família. Somos diferentes numa região. Somos diferentes numa nação. A diferença é inerente, portanto, à natureza humana. Que bom que assim seja.” (Carlos Pereira).

Comecei este artigo com esta citação porque ela resume o que eu penso a respeito da dificuldade das pessoas de aceitarem as outras como elas são, seja num grupo de amigos, em uma comunidade ou no local de trabalho. Por que será que é mais fácil criticar em vez de elogiar? O tempo que gastamos para fazer uma crítica é o mesmo que se gasta fazendo um elogio.

O elogio faz bem para o corpo e para a alma. Quando elogiamos alguém recebemos em troca sorrisos, felicidades e gratidão, se for ao contrário, a testa enruga, você se torna uma pessoa amarga e sem amigos.

Para conviver bem em grupo é preciso que aja empatia. Porque a falta de empatia não deixa as pessoas crescerem e progredirem na vida, não temos mérito nenhum em tratar bem a quem nos trata bem também, mas sim em tratar bem a quem nos trata mal. É preciso aceitar a opinião, o ponto de vista diferente do seu e adotar uma postura de tolerância como princípio básico de mediação das relações interpessoais.

Ninguém precisa pensar e agir como eu, mas eu preciso respeitar e aceitar a opinião do outro, “Fazei aos outros aquilo que queiras que os outros façam a ti”, e relacionar-se com o outro implica em muitas dificuldades, possibilitando o aparecimento de conflitos e confrontos.

Isto se deve pelas diferenças que existem entre as pessoas: o modo de pensar, a maneira de sentir, a maneira de ser, tudo isto é individual e se estabelece em dependência à uma história de vida pessoal.

Cobra-se muito que o outro funcione como um espelho, que sinta como nós, que aja como nós, que pense como nós. Essa necessidade do igual, do semelhante, que na maioria das vezes não existe, faz com que o ser humano tenha tanta dificuldade em aceitar as diferenças.

Não aceitar as diferenças gera conflitos. Estes conflitos podem aparecer em qualquer área da vida: social, familiar, trabalho e afetiva. Eles podem existir em relação ao outro ou em relação à nós mesmos quando não sabemos como agir numa determinada situação.

Vivenciar conflitos é inerente à vida humana. Exterminar o conflito (crise, problemas) não seria a solução, isto seria impossível.

Não deixe que a falta de empatia se confunda com a “inveja” para tentar diminuir o outro, tirar-lhe o brilho através das críticas e comentários maldosos. Vera Loyola diz que “O verdadeiro amigo não é o que é solidário na desgraça, mas o que suporta seu sucesso”.

Pratique a empatia, se coloque no lugar do outro antes de fazer um comentário, e não esqueça que cada ser é único ”se você se comparar com os outros, você se tornará presunçoso e magoado, pois haverá sempre alguém inferior e alguém superior a você” (DESIDERATA).

Pensem nisso e reflitam: Como eu estou lidando com as diferenças dos outros? E lembrem-se ”Nosso alvo na vida deveria ser não o de ultrapassar os outros, mas o de ultrapassar a nós mesmos”. (Babcock)

(*) Neirivan Lúcia Silva da Costa – psicopedagoga – e-mail: [email protected]

10 COMENTÁRIOS

  1. atualmente as pessoas em todas as áreas (exceto familiar) só pensam no seu mal, desejam o pior pra você. É de extrema importância NÃO ser empático. Devemos tratar os outros da mesma forma que tratam nós.

  2. Não acho que seja ditadura aceitar os outros como eles são. Se não fizermos isso, nem sairemos de casa e muito menos, nos daremos com as pessoas. precisamos sim sem empáticos. As vezes é difícil mas necessário.
    Parabéns pelo texto.

  3. Gostei muito do texto, pois me indigno muito com a dificuldade que nos temos em aceitar o outro. Mesmo ele não sendo igual a nós,quando ocorre situações desse tipo a primeira coisa que fazemos é cutucar!pena!

  4. Gostei muito destes comentários vossos porque sinto que não sou o único a passar por estas dificuldades de relacionamento que me empurram para o conflito constante

  5. ahahahaha…. Eu assim como o Marcus, cheguei aqui procurando no Google, “É tão difícil ser eu”!! hahaha…

    Muito legal ler textos inspirados, em momentos filosóficos!!
    Mais este teu texto, é realmente interessante, e responde bem meu “paradigma”… hehe… Você citou Mateus 7:12, a Regra de Ouro – “Faça aos outros aquilo que gostaria que os outros fizessem a você”.
    Nada mais justo!
    Então minha resposta (?) a pergunta inicial seria: “Puxa, é tão difícil ser o outro também!”

    Tenham um bom dia caros leitores!

    Att,

    Kéthia Freire

  6. Adorei o texto e parabenizo-a pelo mesmo. Aceitar as diferenças é acima de tudo uma questão de saúde. Pois, ao ser aceita com a sua diferença, a pessoa se sente bem, bonita, necessária e vive mais.

  7. Esse texto fala muito sobre o que eu estou sentindo, tanto que pra chegar a este, pesquisei no google a seguinte frase: “porque é tão difícil aceitar as coisas?” e foi ai que vi este que parece que foi escrito pra mim…
    Meus sentimentos por algumas pessoas estão deixando o meu humor cada vez mais seco, sem vida e sem emoção!
    Não consigo aceitar as atitudes de certas pessoas e me afastei cada vez mais e hoje as relações estão bastante desgastadas. O que achei que viria pra mudar um pouco foi o nascimento da minha filha que hoje tem 1 ano e quatro meses. Mais não foi o que eu esperava, agora acumulou-se mais um problema e parece que tão cedo não vai ficar legal.
    Tudo isso me refiro a família da mimha esposa que com determinados membros desta, tenho uma relação bastante difícil. O que torna mais complicado é a relação com a minha esposa que as vezes fica complicado por se tratar da familia dela e ela fica muito dividida.
    Não me arrependo de ter casado com ela mais se pudesse teria evitado o contato muito proximo com sua familia. Eu era muito dado, e não sabia que iria ser assim…
    Aos poucos fui conhecendo as pessoas e hoje fica difícil algumas questões.
    O que me deixa triste é que eu sou uma pessoa que amo familia e quis o destino fazer com que eu tivesse magoa justamente no meu ponto que mais gosto.
    Enfim… Queria fazer um comentario e acabei fazendo um desabafo. Mesmo assim agradeço pela atenção.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here