Cínico eleitor!

Dizem que o eleitor brasileiro tem a incrível capacidade de se esquecer em quem votou nas últimas eleições. Algumas pessoas até o classifica de “coitadinho”, por ter limitações da memorização em não lembrar sobre os candidatos que escolheu para representá-lo na vida pública. Para mim, isso não passa de pura enganação por parte do eleitor. Ele sabe muito bem em quem votou, até porque, sabemos de que o ser humano tem a capacidade memorável de reter fatos ou situações vivenciadas há muito tempo. Não é atoa que muitos rotulam certas pessoas com “memória de elefante”. Claro, nada contra esse enorme mamífero paquiderme que se lembra por décadas dos aromas e das vozes de indivíduos de outras rotas migratórias, de lugares especiais e de habilidades aprendidas.
Eu acredito piamente que o eleitor brasileiro lembra muito bem em quem votou, e só faz de esquecido até em pesquisas de opinião pra não ser chamado também de vigarista. Porém, vigarista de meia-tigela, e que caiu na lábia de outro vigarista maior, – o famoso conto do vigário. Por isso que não se vê políticos/vigaristas sendo denunciados em delegacia comum por eleitores trapaceados, pois, ao denunciar o politico, o eleitor confessaria a Justiça ser tão vigarista quanto aquele que o trapaceou. Tornar-se-ia uma mera confissão de culpa e ao mesmo tempo expor como ridículo e otário.
Vejamos: O vigarista maior, sem dúvida, cabe a grande parte dos políticos brasileiros que se especializou na arte de enganar outras pessoas. Eles não medem as consequências dos seus atos para obter a eleição, o Poder. De boa aparência e transmitindo confiança, é esperto e tem a capacidade de assumir a tática e a cor necessária do camaleão para lidar com a situação do momento. Isso vale para o político do sexo masculino e feminino. Tornam-se charmosos e persuasivos. Mas, e o eleitor? Após este pegar R$ 10 ou R$ 20 reais, telhas ou tijolos e depositar o voto na urna, quando se achava ser o melhor, mais esperto, crendo estar fazendo um bom negócio, porém se vê ludibriado e chupando dedo.
Moço! Grande parte dos nossos políticos é a verdadeira personificação de embusteiros, trapaceiros, velhacos, charlatões, golpistas, fraudadores e até estelionatários. Acompanhado a isso, vem o desinteresse, falta de entendimento e a própria cegueira política por parte do eleitorado, que termina votando novamente nos mesmos vigaristas, desta vez, claro, mais graduados na arte de enganar. Infelizmente é assim, pois até hoje tem gente que adora endeusar bandidos e discorda das operações da Polícia Federal contra políticos. Para muitos, isso não passa de perseguição pessoal ou partidária. Ora! Lembrar-se das pessoas é algo simples, desde que acompanhemos atentamente o que elas estão fazendo. Com os políticos não deve ser diferente. Errou! Passa não ser mais confiante do nosso voto. Ano que vem tem eleições gerais e a urna é a melhor hora e oportunidade para punirmos esses 171, devolvendo a eles com a mesma moeda, o golpe recebido. Contudo, infelizmente, a maioria se reelegerá. Como num passe de mágica ou no balançar de um pêndulo, grande parte do eleitorado será hipnotizada.
O que fazer então? O povo brasileiro precisa de conhecimento para não ser mais enganado. Precisa ler e entender o que está lendo. Precisa aprender a lutar para si mesmo e depois lutar pelo coletivo. Parar de achar que sentar e cruzar as pernas no final de semana debaixo de uma árvore para tomar umas e outras e comer carne de terceira é o ápice da vida. Como diria meu amigo Onofre Ribeiro: “Coitados, verdadeiros escravos do sistema que lhes dá apenas a participação popular ao sufrágio a cada dois anos, e ainda não sabem tirar proveito.” Resumindo: Expressar sua indignação nas eleições seguintes e amenizar o Brasil da corrupção é o mínimo que o eleitor deve fazer. Quanto ao problema da “memória do voto” não precisa de ‘m…‘ nenhuma de prescrição médica com Vitamina B12, mas sim educação política e caráter por parte do cínico eleitor.

(*) Elizeu Silva é jornalista em Mato Grosso: E-mail: elizeulivramento@gmail.com

1 COMENTÁRIO

  1. Num país onde, de acordo com estatísticas oficiais, temos 51 milhões de brasileiros que vivem na linha de pobreza, podemos esperar algo diferente em relação aos votos e os candidatos? Penso que não, pois a maioria dos políticos são corruptos. O meio social os favorece muito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here